África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 


República Democrática do Congo: Reabilitação de Antigas Crianças-Soldado que "Gostavam" de Matar
Kristin Palitza

Bukavu, República Democrática do Con, 12 de novembro, (IPS) - A vida de Murhula* mudou para sempre quando tinha nove anos de idade. Foi o ano em que aprendeu a matar, a torturar e a violar. Foi o ano em que as milícias entraram na sua escola numa pequena aldeia perto de Bukavu, no Sul do Kivu, na República Democrática do Congo (RDC), e o obrigaram, juntamente com outras crianças, a acompanhá-las para os campos na floresta onde foram treinados a tornarem-se soldados. "Aconteceram muitas coisas sobre as quais não consigo falar. Foi muito desumanizador," recorda Murhula, agora com 25 anos. Durante nove anos lutou contra grupos militares diferentes: primeiro a Coligação Congolesa para a Democracia, depois o Mudundo, os Mai-Mai e finalmente o Exército Nacional Congolês.

Perto de 30.000 crianças da RDC, mais de um terço raparigas, foram treinadas a ser crianças-soldado para ajudar a luta numa guerra pelo poder tribal e político, assim como pelos recursos naturais, guerra essa em que quatro milhões de pessoas morreram até hoje.

A RDC ratificou uma série de tratados internacionais para proteger os direitos das crianças. Em 2001, esta nação da África Central assinou a Resolução 1341 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que exige o fim do recrutamento das crianças-soldado e a sua desmobilização e reabilitação. Mas, segundo a Amnestia Internacional, o governo congolês pouco tem feito para implementar estes acordos.

Depois das eleições democráticas na RDC em 2006, e especialmente depois do acordo de paz de Goma em 2008, que trouxe alguma paz ao leste da RDC, as organizações de ajuda internacional, como o Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Caritas, agência de ajuda humanitária católica, e outras organizações decidiram ajudar a desmobilização das crianças-soldado. (O país vai regressar às urnas no dia 28 de Novembro para a sua segunda eleição democrática desde a independência).

Mas o apoio psicológico a milhares de jovens traumatizados e submetidos a lavagens cerebrais que necessitam de ajuda para regressar a uma vida normal não faz parte da desmobilização.

A RDC tem agora uma geração de crianças e jovens adultos que não se lembram de uma vida sem violência. Traumatizados por acontecimentos que nem os adultos nem as crianças deviam testemunhar, as antigas crianças-soldado transformaram-se em agressores temidos, ladrões e drogados que têm dificuldade em voltar a fazer parte da sociedade. Até os pais se recusam a aceitar estas crianças de volta ao convívio da família porque, como demonstra o exemplo de Murhula, há sinistras verdades escondidas no passado de muitas antigas crianças-soldado.

Completamente submetido a uma lavagem cerebral pela ideologia rígida e hierárquica das milícias, o rapaz começou a gostar de infligir a dor, justificando os seus actos como "normais em tempo de guerra."

"Gostei de ser soldado. Não sei quantas pessoas matei. De qualquer forma, só estava a seguir ordens," disse num tom de desafio.

É uma contradição surpreendente ter de enfrentar esta realidade - a maior parte das crianças-soldado são vítimas traumatizadas e agressores violentos ao mesmo tempo.

A forma como o perfil deste conflito se desenrola nos seus espíritos e como precisa de ser abordado está agora a ser investigado por Tobias Hecker e Katharin Hermenau, psicólogos da Universidade de Konstanz. Actualmente trabalham com soldados num centro de reabilitação em Goma, a capital regional do Norte do Kivu, no leste da RDC.

"Chegámos à conclusão que aqueles que se divertiram com a violência sofrem menos perturbações pós-traumáticas mas é mais difícil reintegrá-los na sociedade porque estão preparados a tornarem-se violentos mais uma vez," relatou Hermenau.

Com base em mais de 200 entrevistas, os investigadores constataram que um número surpreendemente baixo de antigas crianças-soldado - 25 por cento - tinham a síndrome de stress pós-traumática. Isto significa que três em cada quatro continuam a ligar a violência a emoções positivas.

"Vemos muito orgulho, sentimentos de vingança e poder. Muitos falam da vontade de matar," afirmou Hermenau.

O resultado da investigação sublinha como é problemático reintegrar as crianças-soldado na sociedade.

Uma organização que tem esta difícil tarefa é o Centro para a Aprendizagem Artesanal e Profissional (CAPA) em Bukavu, a capital provincial do Sul de Kivu, localizada a 100 quilómetros a sul de Goma. Esta organização sem fins lucrativos ensina às antigas crianças-soldado uma série de ofícios, incluindo aplicação de tijolos, carpintaria, trabalhos em couro e estofos.

O director da CAPA, Vital Mukuza, não tem ilusões sobre a reabilitação das antigas crianças-soldado.

"É muito difícil. São agressivos, irritáveis e propensos à violência e vandalismo, representando uma ameaça constante aos outros.

"Não respeitam as normas ou a autoridade e estão habituados a apoderarem-se de tudo o que querem," acrescentou. "A adaptação à vida normal demora vários meses."

É aqui que Murhula está a tentar iniciar uma nova vida, aprendendo a construir guitarras.

Nos últimos dois anos, dedicou-se a aprender esta nova profissão, com a esperança de poder abrir uma pequena loja um dia, talvez constituir uma família.

"Não quero pensar mais no passado," disse.

Mas a maioria das 30.000 crianças-soldado não tem acesso a uma rede de apoio psicológico, social e económico. Depois de desmobilizados, têm de sobreviver por si próprios e muitas vezes vivem isolados e em pobreza.

Mulume*, de 22 anos, que foi recrutado à força pelos Mai-Mai quando tinha 17 anos, está agora desempregado e admitido que se sente perdido. Embora tenha sido autorizado a regressar à sua aldeia natal de Kahungu, a 65 quilómetros a norte de Bukavu, sente muita desconfiança à sua volta.

Quando lhe perguntam se vê um futuro para ele, abana a cabeça e diz "não".

"Tenho simplesmente de aceitar o meu destino," afirmou.

*Os apelidos foram omitidos para proteger a identidade das pessoas. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Indígenas de EEUU exigen limpiar el peor vertedero nuclear del Proyecto Manhattan
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
 Azerbaiyán respalda la ofensiva de Turquía contra movimiento de Gülen
MÁS >>