África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Açúcar boliviano se recupera
Franz Chávez

LA PAZ, Bolívia, 12/11/2012 (Terramérica), (IPS) - A safra de cana-de-açúcar na Bolívia traz esperanças para o setor açucareiro, mas faltam condições internas e internacionais para sua expansão.


Crédito: Gastón Brito/IPS
Trabalhadores bolivianos da cana em plena safra.
O açúcar voltou aos engenhos bolivianos, que inundam o mercado interno e se desesperam para conseguir licença para exportar o excedente de 138 mil toneladas para Chile, Colômbia, Peru e Estados Unidos. A pior época, marcada por escassez, especulação e contrabando, foi em 2010 e é uma péssima lembrança para este setor pujante da agroindústria do departamento de Santa Cruz, onde funcionam quatro dos cinco engenhos do país, Guabirá, La Bélgica, San Aurelio e União Agroindustrial de Produtores de Cana (Unagro). O quinto, Indústrias Agrícolas Bermejo Sociedade Anônima, fica na região de Bermejo, no departamento de Tarija.

Este ano, a indústria de Santa Cruz tem nas mãos uma produção de 11 milhões de quintais (506 mil toneladas). Na Bolívia se usa o quintal (46 quilos) para medir produtos como o açúcar. O excedente seria de 138 mil toneladas. Contudo, destas, "apenas um milhão de quintais podem ser exportados com autorização do governo", disse ao Terramérica o gerente geral da Unagro, Marcelo Fraija.

Os investimentos do setor em terras, cultivos, unidades industriais, máquinas agrícolas e infraestrutura chegam a US$ 500 milhões, segundo estudo feito em 2010, informou o gerente de Responsabilidade Social do Instituto Boliviano de Comércio Exterior (IBCE), Andreas Noack. Precisamente nesse ano, os engenhos de Santa Cruz produziram 395,6 mil toneladas e o de Bermejo 42,366 mil toneladas.

Bruscas mudanças meteorológicas nas nove províncias de Santa cruz, onde são cultivados 131.600 hectares de cana, fizeram cair a produção, e o governo interveio no mercado. O consumo interno estava estimado em 345 mil toneladas para este ano. Mas as autoridades consideraram pertinente controlar os preços. Os valores fixados para o mercado doméstico foram inferiores aos que regiam no vizinho Peru, e grandes volumes de açúcar acabaram cruzando a fronteira como contrabando.

Diante do desabastecimento, o governo proibiu as exportações e começou a importar açúcar da Colômbia. Mas a solução chegou quando, voltando atrás, determinou um preço de varejo perto do que sugeria o mercado, o que devolveu as condições à normalidade. "Não se repetirá esse período", quando se apelou para importações concertadas entre governo e produtores como forma de "proteger a segurança alimentar", explicou Fraija.

No entanto, a regulação das exportações se mantém, para garantir a oferta interna, e os empresários pedem que o Ministério de Desenvolvimento Rural e Agropecuário levante essa limitação. Em 2009, a indústria exportou US$ 75 milhões, embora seu teto histórico tenha sido superior a US$ 100 milhões em colheitas anteriores. Nos primeiros nove meses deste ano, as vendas de açúcar para o exterior não chegaram a US$ 17 mil e representam apenas 0,19% do total exportado por este país.

"Estamos felizes" com a safra de 2012, que se beneficiou do clima e de créditos concedidos pelo governo aos produtores, com prazos de até quatro anos e garantia das empresas e sindicatos, disse ao Terramérica o ex-presidente da União de Produtores de Cana de Santa Cruz, Hugo Gutiérrez.

O corte de cana começou em maio e mobilizou cerca de dois mil trabalhadores que chegaram das frias zonas altiplanas do oeste e das quentes terras do leste. A safra atrai trabalhadores temporários e suas famílias para a área dos canaviais, dividida entre cerca de 3.500 proprietários. Este ano se pagou entre US$ 4,3 e US$ 4,6 por tonelada cortada. Porém, quando a mão de obra escasseou, "por necessidade chegou-se a pagar até US$ 5", e a utilizar máquinas, informou Gutiérrez. Algumas propriedades se estendem até 500 hectares, mas os pequenos produtores têm áreas entre 20 e 300 hectares. A colheita segue firme e continuará até o final de novembro, quando as chuvas interrompem o trabalho nos canaviais.

"O governo tinha razão quanto temia pela saída do produto por seu baixo preço", disse ao Terramérica Mariano Aguilera, ex-presidente do maior engenho da região, Guabirá. "Hoje, entretanto, é diferente e são necessárias políticas comerciais claras. Os produtores sofrem para transformar os cultivos" e adequá-los às caprichosas condições climáticas, queixou-se Gutiérrez. "Por um lado, o governo nos dá uma mão com apoio financeiro, mas, por outro, fecha as portas para a exportação", destacou.

Os produtores enfrentam um problema maior: os preços internacionais do açúcar estão em baixa. A cotação da tonelada caiu de US$ 800, no começo deste ano, para US$ 500, indicou Fraija. Em Bermejo, 1.165 quilômetros ao sul de La Paz, as expectativas se convertem em desesperança porque pouquíssimo açúcar foi vendido no mercado nacional e o volume armazenado não tem demanda.

Neste cenário, caiu mal uma lei aprovada no dia 10, para criar um imposto destinado a financiar a pesquisa científica da cana-de-açúcar. A União de Produtores Guabirá bloqueou estradas em Santa Cruz, protestando pela iniciativa que impõe a quem produz uma carga de 0,007 pesos bolivianos por litro de álcool e de 20 centavos por quintal de açúcar. Os produtores consideram que a medida surge como uma duplicação de esforços. Na Bolívia existe, há vários anos, o Centro de Pesquisa de Transferência de Tecnologia da Cana-de-Açúcar, vinculado ao Engenho Açucareiro Guabirá. Envolverde/Terramérica (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Sospechosos de terrorismo ante aterrador sistema judicial de EEUU
 Gobierno de Sudán del Sur aprieta la mordaza
 Ruanda se atreve a tener dulces sueños, y con sabor a helado
 Uruguay no es “pirata” por legalizar la marihuana
 Anfitrión de la ONU cierra con llave cuando quiere
MÁS >>