África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Nanotecnologia para reduzir pegada petroleira
Humberto Márquez

Caracas, Venezuela, 12/11/2012 (Terramérica), (IPS) - A nanotecnologia pode ser uma ferramenta poderosa para reduzir a contaminação climática dos combustíveis fósseis e para melhorar a eficiência de energias limpas.


Crédito: Cortesia PDVSA
Refinaria venezuelana em funcionamento.
A Venezuela está empregando nanotecnologia para desenvolver novos catalisadores aplicáveis para reduzir a emissão de gases responsáveis pelo efeito estufa causada pela sua indústria petroleira. Nano é a escala do diminuto: uma partícula de um nanômetro (nm) que mede a milionésima parte de um milímetro, ou, em números: 0,000000001 metro.

"Buscamos empregar nanopartículas de sais de metais, por exemplo, nitratos de ferro ou níquel, ou cobalto, como catalisadores em processos petroleiros nos quais são gerados gases-estufa", disse ao Terramérica a pesquisadora Sarah Briceño, do Centro de Física do Instituto Venezuelano de Pesquisas Científicas (Ivic, estatal).

Os catalisadores são substâncias empregadas para acelerar processos químicos, "e nosso objetivo é conseguir os adequados para indústria venezuelana e que permitam reduzir em até 50% a emissão de gases em tarefas como refino de petróleo ou consumo de combustível nos veículos", destacou Briceño.

A Venezuela, sócia fundadora da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep), extrai quase três milhões de barris por dia e tem reservas de petróleo pesado superiores a 200 bilhões de barris. Em seu território, seis refinarias processam diariamente 1,1 milhão de barris (de 159 litros).

Por outro lado, o país consome, segundo a Opep, 742 mil barris por dia de diferentes combustíveis, dos quais cerca de 300 mil barris correspondem à gasolina usada por mais de seis milhões de veículos automotores. O Ministério do Poder Popular para o Meio Ambiente afirma que a Venezuela responde por 0,48% do total mundial de emissões de gases-estufa, e de 0,56% de um desses "vilões", o dióxido de carbono.

Em fase experimental, "observamos com microscópios de alta resolução a varredura e o comportamento, a reação química, das nanopartículas de sais de metais e elementos surfactantes (que influem na superfície de contato entre substâncias) envolvidas nesses processos", explicou Briceño.

Desde que o norte-americano Richard Feynman (1918-1988), prêmio Nobel de Física em 1965, introduziu, em 1959, o conceito da nanotecnologia (manipulação da matéria em escala molecular e atômica) esta decolou em campos como medicina, farmácia, energia, eletrônica, metalurgia, conservação do meio ambiente e do conhecimento.

"Toda a tabela periódica (dos elementos) pode ser levada à escala nano. Nós nos focamos em pesquisar como a Venezuela, com sua tecnologia e infraestrutura, pode dar esta contribuição ambiental em seus trabalhos com hidrocarbonos", disse Briceño. "A ênfase nós demos na redução das emissões de óxidos de nitrogênio e de metano, que são os mais fortes causadores do efeito estufa", acrescentou.

Estima-se que a pesquisa dará frutos em 2013. Levá-los à indústria será percorrer um longo caminho, se forem consideradas as escalas de laboratório: no Ivic são obtidos resultados em aglomerados de partículas que pesam 0,1 grama, e a exploração de petróleo da Venezuela em um único dia equivale a 400 mil toneladas.

A relação entre energia e meio ambiente é um campo fértil para a nanotecnologia, como mostra uma pesquisa norte-americana do Massachusetts Institute of Technology, para agregar nanopartículas de ferro ao petróleo, o que permitiria limpar com imãs o hidrocarbono que vaze para corpos de água.

"A demanda energética aumentará nos próximos anos e devemos ser capazes de gerar energia abundante, barata e com o menor impacto ambiental. Os combustíveis fósseis não são uma alternativa adequada, mas pior é utilizá-la mal quando há oportunidades incríveis para ser muitíssimo mais eficiente", afirmou Javier García Martínez, diretor do Laboratório de Nanotecnologia da Universidade de Alicante, na Espanha.

A nanotecnologia "oferece oportunidade de gerar novos materiais e processos, e no campo da energia há um grande potencial para melhorar a eficiência das células fotovoltaicas que formam os painéis solares", disse ao Terramérica o consultor venezuelano Juan Carlos Sánchez, que integra o Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre Mudança Climática (IPCC), premiado em 2007 com o Nobel da Paz juntamente com o ex-presidente norte-americano Al Gore (1993-2001)

Para Sánchez, "aos grandes produtores de petróleo, às empresas ou aos países não convém necessariamente o desenvolvimento de processos e materiais da nanotecnologia, quando esta tem o objetivo de uso maior e mais efetivo da energia solar. Digamos que vá em sentido contrário ao negócio toda tecnologia que reduza a emissão de gases-estufa, porque diminuiria a demanda por petróleo com o aumento do uso da energia solar".

Em sua opinião, a Venezuela deveria dirigir esforços para outras tecnologias que reduzam a emissão de gases-estufa associada à atividade petroleira, "como o chamado sequestro de dióxido de carbono, gerado nas refinarias para sequestrá-lo no subsolo de poços de petróleo e evitar que vá para a atmosfera".

Outros sócios da Opep "adiantam" esse tipo de pesquisa, entre eles "Arábia Saudita, Argélia e Emirados Árabes Unidos, para fugirem do rótulo de que os países petroleiros são os responsáveis pelo aquecimento global", apontou Sánchez. A Venezuela "poderia dispor para esse fim de seus milhares de velhos poços abandonados, que permitiriam enterrar dióxido de carbono a mais de mil metros de profundidade", acrescentou.

Briceño considera, por outro lado, que êxitos em seu campo podem impulsionar estudos para aplicar nanotecnologia a outras vertentes ambientais da indústria venezuelana do petróleo. Por exemplo, emprego e disposição do coque (resíduo sólido com mais de 90% de carbono), do qual a Venezuela produz 20 mil toneladas diárias no processo para melhorar seu petróleo pesado e o extrapesado, para transformá-los em leves aptos para a maioria das refinarias. A poeira das montanhas de coque afeta as populações do leste venezuelano que são vizinhas de instalações para melhorar o petróleo. Talvez em um futuro as nanopartículas para tratá-lo sirvam para seu resgate. Envolverde/Terramérica (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Asia, tan cerca y tan lejos de erradicar la poliomielitis
 Premio a “visionaria” ley de Bolivia contra violencia de género
 Economía y política exterior oponen candidatos en Brasil
 Cambio climático en el Caribe es una amenaza inmediata y real
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
MÁS >>