África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Superestrelas por um mundo com menos pobreza
Becky Bergdah

Nações Unidas, 16/11/2012 , (IPS) - A iniciativa Why Poverty? (Por Que a Pobreza?) reúne 30 curtas-metragens documentários, de premiados diretores e de novos talentos do cinema, sobre diferentes aspectos da miséria, como desigualdade de gênero, segregação residencial, ajuda e comércio.


Crédito: Cortesia do entrevistado
O diretor sueco Bosse Lindquist coloca o cinema a serviço da luta contra a pobreza.
Bosse Lindquist é um deles. De 25 a 30 deste mês, os filmes serão transmitidos para todo o mundo por intermédio de 62 canais nacionais, chegando a 500 milhões de pessoas. Depois haverá um debate na internet sobre o assunto.

A Why Poverty? foi lançada em 27 de setembro na Organização das Nações Unidas (ONU) e é administrada pela Steps, uma entidade com sedes na Dinamarca e na África do Sul. A agenda não busca arrecadar dinheiro ou impulsionar uma solução única para a pobreza mundial, mas provocar discussões sobre todos os aspectos possíveis da pobreza.

Em sua colaboração, o cineasta sueco Bosse Lindquist aborda o ponto de vista da caridade, com o documentário Give us the Money (Nos Dê Dinheiro). Lindquist conversou com a IPS sobre o filme e o fato de focar nas estrelas de rock irlandesas Bob Geldof e Bono, que há anos defendem os mais pobres.

IPS: Como lhe ocorreu a ideia do filme?

BOSSE LINDQUIST: Fui convidado pela BBC, a SVT e demais editores encarregados, para lançar um olhar para a solidariedade e o desenvolvimento. Após ter explorado o mundo dos famosos, me dei conta de que Geldof, que iniciou de muitas maneiras a participação das celebridades na luta contra a pobreza, era um dos poucos atores consistentes no longo prazo. Ele é ativista desde 1984, quando começou arrecadando dinheiro para as vítimas da fome e depois trabalhando pela mudança de sistema. Logo ficou claro que Bono unira-se a ele nesta luta, já nos anos 1990, e que ambos, cooperando com muitos outros indivíduos e organizações, conseguiram êxitos destacáveis. E ainda o fazem.

IPS: Os shows e as campanhas iniciadas por artistas como Bono e Geldof conseguiram ajudar os pobres?

BL: Sim, e também é importante mencionar que não há estudos científicos mostrando exatamente o impacto que causaram. Lamentavelmente, o mesmo ocorre com a incidência geral da ajuda para o desenvolvimento econômico na África. Estes são assuntos muito complicados, que dependem de múltiplos fatores. De todo modo, fica claro que Bono e Geldof tiveram um papel importante ao conseguirem que, em 2005, fosse cancelada a elevada dívida da África com o mundo rico. Eles também ajudaram o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, a criar o Pepfar (Plano de Emergência do Presidente para Alívio da Aids) e a fazer com que o mundo rico financiasse a Gavi (iniciativa mundial para a vacina contra a aids). Estes dois projetos, juntos, financiam uma grande parte dos medicamentos que salvam vidas e que atualmente chegam a oito milhões de africanos infectados com o vírus HIV, causador da aids.

IPS: Uma superestrela rica e branca pode se converter em porta-voz dos pobres da África?

BL: Bono e Geldof se tornaram hábeis defensores e lobistas que trabalham por maiores recursos para os extremamente pobres da África, bem como por uma mudança de sistema em nível mundial para conseguir legislação importante a respeito da transparência da ajuda. Mas porta-vozes, não. Este trabalho deve ser feito por africanos.

IPS: Quanto do ativismo dos artistas se utiliza para potencializar sua imagem e quanto para ajudar?

BL: Pouquíssimas celebridades participam de atividades solidárias para se beneficiar artisticamente. Não há provas de que Bono e Geldof façam isto. Mas, naturalmente, seu genuíno ativismo, sem dúvida, não prejudica suas imagens nem suas vendas recordes de álbuns.

IPS: Dos países mais ricos, 20% consomem 80% dos recursos naturais do mundo. Alguns vivem no luxo absoluto, outros passam fome. É possível conseguir a igualdade?

BL: Simplesmente devemos trabalhar por um mundo mais justo e equitativo. Qualquer outra coisa será injusta. Também, esta é a única maneira, se queremos fazer o mundo mais pacífico e seguro. Creio que isto também é um requisito para fazer com que todos juntem esforços e combatam os perigos ambientais e o aquecimento global.

IPS: Como podemos conseguir isto?

BL: O combate tem que se desenvolver em numerosas plataformas. Uma luta muito importante tem a ver com aprovar leis para enfrentar a corrupção e o roubo nas transações entre países com recursos minerais ou agrícolas e os compradores no mundo rico. Outra luta enorme tem a ver com dar educação a cada criança na Terra. E uma terceira luta, obviamente, é para garantir que as mulheres tenham as mesmas oportunidades que os homens.

IPS: O que diz sobre o conceito de "armadilha da ajuda", teoria segundo a qual os países pobres podem ficar dependentes da ajuda externa?

BL: Não é tanto o caso de os países mais pobres se tornarem dependentes, mas sim de os funcionários de seus governos ficarem dependentes. Há um elemento corruptor em todas as grandes transferências de dinheiro, e há um perigo constante de que a pessoa seja seduzida por isto. Mas o fato de tal "armadilha da ajuda" existir não é motivo para freá-la, embora seja um motivo muito forte para cobrar transparência em relação a quanta ajuda se dá e se distribui, com meios inerentes para que os próprios receptores controlem como se desembolsa o dinheiro dado a um país. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: Civil Society Calls For Impartial Inquiry on Air Crash and Catastrophe in Ukraine
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Sociedad civil exige investigación del avión derribado en Ucrania
 Masivas deportaciones no rompen sueños migratorios de hondureños
 Fomentar una ciudadanía global es vital para los ODS
 Giro radical de Europa frente a los conflictos en Siria e Iraq
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
MÁS >>