África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Operação israelense em Gaza se depara com outro Egito
Adam Morrow e Khaled Moussa al-Omrani

Cairo, Egito, 26/11/2012, (IPS) - A reação do novo governo do Egito diante da campanha militar de Israel contra o território palestino de Gaza, interrompida no dia 21 graças a um cessar-fogo, contrastou claramente com a posição do regime anterior.


Crédito: Mohammed Omer/IPS
Família palestina em uma rua de Beit Lahia, norte de Gaza.
"O governo do deposto Hosni Mubarak participou de forma descarada do sítio imposto por Israel à Faixa de Gaza, sem perder uma oportunidade de pressionar o Hamás (Movimento de Resistência Islâmica)", disse à IPS o especialista em assuntos israelenses Tarek Fahmi, do Centro Nacional de Estudos sobre o Oriente Médio, com sede no Cairo. "Por outro lado, os novos governantes egípcios expressaram seu apoio incondicional ao Hamás e ao povo de Gaza, e trataram de acabar com o bloqueio", acrescentou.

O presidente Mohammad Morsi foi eleito nas urnas no último verão, 16 meses depois da saída de Mubarak em fevereiro de 2011, após 30 anos no poder. Morsi pertence à Irmandade Muçulmana do Egito, vinculada ideologicamente ao Hamás, que controla Gaza desde 2007. E, ao contrário de seu antecessor e da maioria dos governantes ocidentais, rapidamente denunciou o último derramamento de sangue em Gaza.

Ao participar do sermão semanal islâmico do dia 16, Morsi prometeu que o Egito não deixará a Faixa de Gaza "por sua conta" para enfrentar a "descarada agressão" de Israel. Em clara alusão às mudanças ocorridas neste país em matéria de política externa após a revolta popular que derrubou Mubarak, disse que "hoje o Egito é muito diferente do de ontem".

O último episódio de violência começou no dia 14, quando as forças israelenses assassinaram Ahmad Jabari, comandante de operações das Brigadas Ezzedine al-Qassam, vinculadas ao Hamás, ao que a resistência armada palestina respondeu com foguetes contra o sul de Israel. Os dias seguintes de incessantes bombardeios, por ar, terra e mar, deixaram mais de 150 palestinos mortos, na enorme maioria civis, e centenas com ferimentos graves. Os foguetes lançados desde Gaza contra o sul de Israel mataram cinco israelenses e deixaram vários feridos.

Após o anúncio do cessar-fogo, o chefe político do Hamás, Jaled Meshaal, expressou sua gratidão a Morsi pelo papel de mediador desempenhado pelo Egito para acabar com a violência, bem como por suas "decisões e posição a respeito da última agressão de Israel contra Gaza". Desde o começo do último enfrentamento, a reação do Egito ficou reduzida a declarações fortes.

Desde o primeiro dia, Cairo anunciou a retirada de seu embaixador em Israel, enquanto Morsi pediu ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e à Liga Árabe, com sede nesta capital, para realizarem reuniões de emergência. Dois dias depois, o primeiro-ministro egípcio, Hisham Qandil, fez uma curta visita ao atribulado território palestino, de 40 quilômetros de comprimento por 14 de largura, em uma demonstração de solidariedade.

O Egito também abriu a passagem da fronteiriça cidade de Rafah, a única ligação de Gaza com o mundo exterior. Israel manteve suas fronteiras rigidamente controladas desde sua "retirada unilateral" do território palestino em 2005. Agora, pessoas e mercadorias, incluindo os tão necessários suprimentos médicos, entram na Faixa de Gaza pelo Egito, enquanto doentes palestinos podem se dirigir a este país para realizar tratamento médico.

Segundo Fahmi, a reação do novo governo frente ao último ataque contra Gaza corresponde à posição declarada de Morsi, e por extensão da Irmandade Muçulmana, diante do eterno conflito árabe- israelense. "A reação de Morsi está de acordo com sua plataforma eleitoral e com suas declarações posteriores à sua eleição", observou Fahmi. "Sob sua lideranç,a o Egito apoiará o povo palestino contra a contínua ocupação por parte de Israel e trabalhará para garantir suas aspirações nacionais", acrescentou.

A atual resposta do Egito contrasta claramente com a do regime de Mubarak diante da Operação Chumbo Derretido, lançada por Israel no final de 2008 e começo de 2009. Durante aquela campanha, em que os israelenses usaram armas proibidas, morreram 1.500 palestinos, na maioria civis, e milhares ficaram feridos.

Apesar da violência nessa oportunidade, Mubarak manteve a fronteira de Rafah fechada. Nem mesmo feridos graves puderam ser levados para tratamento no Egito. "Por pressão dos Estados Unidos e de Israel, Mubarak completou o bloqueio da Faixa, mesmo durante o pior do massacre, com a esperança de destruir o Hamás", disse à IPS o analista Magdi Hussein, ex-presidente do Partido Trabalhista Islâmico Egípcio, de tendência islâmica.

"Por outro lado, Morsi apoia abertamente a resistência em Gaza e começou a tomar medidas para abrir a fronteira, mesmo antes desta última agressão", ressaltou Hussein, que esteve preso por dois anos durante o regime de Mubarak, por ter cruzado para Gaza sem permissão durante a Operação Chumbo Derretido.

O apoio do Egito ao povo de Gaza e à resistência local não se reduziu a círculos oficiais. Além disso, "o Egito agora apoia o Hamás", enquanto o "regime de Mubarak apoiou seu arquirrival Fatah, que insiste em manter infrutuosas 'conversações de paz' com Israel e que fracassaram totalmente em melhorar a situação dos palestinos", pontuou Hussein.

Centenas de ativistas egípcios de todos os partidos políticos fizeram uma breve visita a Gaza no dia 18 para expressar solidariedade aos seus irmãos palestinos. Dois dias antes, manifestações contra o ataque reuniram dezenas de milhares de pessoas. A política do Egito mudou após a revolta popular, mas, ao que parece, a comunidade internacional não. Como ocorreu com a Operação Chumbo Fundido, o Conselho de Segurança não emitiu nenhuma resolução pedindo o fim das hostilidades.

No dia 20 deste mês, um dia antes do cessar-fogo, os Estados Unidos bloquearam uma declaração do Conselho condenado a escalada de violência. "Alguns governos europeus pareceram mais favoráveis ao Hamás e a Gaza desta vez. Mas o apoio de Washington a Israel parece total, como da outra vez", enfatizou Fahmi. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
 Azerbaiyán respalda la ofensiva de Turquía contra movimiento de Gülen
 Hambre de flora y fauna en el joven sector privado de Cuba
MÁS >>