África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Violência na Síria também paralisa tratado sobre armas químicas
Thalif Deen

Nações Unidas, 6/12/2012, (IPS) - O assediado governo sírio de Bashar Al Assad, acusado de preparar armas químicas contra os rebeldes que o combatem, é um dos três do Oriente Médio que rejeitam o convênio internacional para proibir esse tipo de armamento de destruição em massa.


Crédito: Sayeed Janbozorgi/ licença GFDL
Ataque com gás venenoso contra Halabja, no Curdistão iraquiano em 16 de março de 1988, no final da guerra Irã-Iraque, quando tropas de Bagdá apelaram para as armas químicas.
Os outros dois, Egito e Israel, também se afastaram da Convenção sobre Proibição do Desenvolvimento da Produção, do Armazenamento e do Emprego de Armas Químicas e sobre sua Destruição, por razões políticas e militares.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), há oito países (Angola, Birmânia, Egito, Israel, Coreia do Norte, Síria, Somália e Sudão do Sul) que se recusam ou são reticentes à Convenção, também conhecida pela sigla CAQ. Devido a essas resistências, a CAQ não tem caráter universal, ao contrário da maioria dos tratados e das convenções internacionais sobre assuntos-chave.

Interrogado se isto indica que todos, ou a maioria desses oito países, possuem este tipo de armas, o pesquisador John Hart, que dirige o projeto sobre segurança do armamento químico e biológico no Stockholm International Peace Research Institute (Sipri), disse à IPS que há várias razões que explicam a resistência desses Estados. No Oriente Médio, um motivo é o vínculo político construído durante anos por alguns Estados, segundo os quais todos os governos da região deveriam renunciar de modo verificável a todas as armas de destruição em massa, incluindo as nucleares, biológicas e químicas.

De concreto, esses Estados insistem em que todos os países do Oriente Médio deveriam assinar o Tratado de Não Proliferação das Armas Nucleares. Até que a região esteja a ponto de se converter em uma zona livre de armamento atômico, alguns argumentam que é melhor adiar a adoção da CAQ, disse Hart. Mas este argumento perdeu peso nos últimos anos, em parte porque vários países do Oriente Médio se somaram igualmente à CAQ.

Os Estados Unidos afirmam que as armas químicas são uma "linha vermelha" que o governo sírio não deveria cruzar. Em um discurso realizado em uma conferência sobre não proliferação nuclear, no dia 3 em Washington, o presidente Barack Obama disse que o "uso de armamento químico é, e deve ser, totalmente inaceitável. E se alguém comete o trágico erro de usá-lo, haverá consequências diante das quais deverá responder", afirmou dirigindo-se diretamente a Assad.

A CAQ, cujo cumprimento fica a cargo da Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq), tem atualmente 188 Estados partes, que representam mais de 98% da população mundial e da indústria química. Em outubro completou 15 anos de vigência, e no mês passado o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu seu vigor universal e exortou os oito reticentes a aderirem à Convenção destinada a eliminar o uso, o desenvolvimento, a produção e a transferência destes perigosos armamentos.

De todo modo, "o uso destas armas é tabu", disse à IPS o professor George A. Lopez, do Instituto Kroc para Estudos Internacionais sobre a Paz, da Universidade de Notre Dame, nos Estados Unidos. Este tabu "é sustentado com firmeza em todo o mundo e inclusive articulado pelos principais possuidores deste armamento, Estados Unidos e Rússia", acrescentou. Seu uso tem implicações e ressonâncias que vão além da quantidade de vítimas, sobretudo pelo horror de seus efeitos, disse Lopez.

Quando o então presidente iraquiano Saddam Hussein as utilizou na guerra contra o Irã (1980-1988), a opinião pública do Ocidente se voltou contra Bagdã, embora tenha sido muito pequena a resposta aplicada na época pela comunidade internacional, afirmou Lopez, ex-assessor da ONU e especialista em sanções militares do fórum mundial. "Suspeito que se Assad usar armas químicas vai criar uma justificativa para a intervenção internacional", ressaltou.

O dano abrasador do agente VX ou de outros gases nervosos que provavelmente a Síria possui poderia alcançar centenas ou milhares de pessoas se fosse lançado do ar, acrescentou Lopez. Segundo a proximidade e a direção dos ventos, os que estiverem perto terão uma morte horrível; uma morte mais lenta atingirá os que estiverem à média distância - e possivelmente tenham acesso limitado a cuidados médicos -, enquanto outros ficarão com cicatrizes por toda a vida e morrerão mais tarde por desordens no sistema imunológico.

Para Hart, outro motivo para não ratificar a CAQ reside nas prioridades políticas. Essas poderiam ser as motivações do Sudão do Sul e da Somália, afirmou. Israel assinou a convenção, participou das reuniões da comissão preparatória para sua entrada em vigor e enviou observadores à conferência anual dos Estados parte. "Isto poderia indicar que, segundo certas considerações geopolíticas amplas, Israel poderia concordar em ratificar a convenção", segundo Hart.

A Coreia do Norte não responde às tentativas de diálogo da Opaq, o que "obedece às dinâmicas geopolíticas dessa região. Boa parte da discussão sobre as motivações, capacidades e políticas é especulativa", destacou. Angola participou como Estado observador da conferência das partes, realizada em novembro em Haia. O mesmo ocorreu com a Birmânia.

Há dois anos e meio, houve contatos informais entre a Opaq e a Síria para explorar os parâmetros necessários para que esse país ratificasse a convenção. "Estas ações eram parte das permanentes tentativas da Opaq de conseguir uma adesão universal. A atual instabilidade já tem um efeito negativo nesse processo", acrescentou Hart. A Síria sofre há 21 meses uma violenta insurgência. Por outro lado, prosseguiu, a União Europeia deu apoio financeiro para promover a implantação efetiva da Opaq. Envolverde/IPS (IPS) (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ejecutivos de EEUU ganan 331 veces más que un empleado promedio
 Sociedad civil quiere más influencia en nueva agenda de desarrollo
 Llega Qelasy, la tableta inventada en Costa de Marfil
 â€œLa agricultura necesita una nueva revolución”
 Incidencia mundial del cáncer versus mortalidad por región
MÁS >>