África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

A ONU vota, Israel bombardeia
Thalif Deen

Nações Unidas, 10/12/2012, (IPS) - Cada vez que o Conselho de Segurança, esporadicamente, ou a Assembleia Geral, mais frequentemente, da Organização das Nações Unidas (ONU) fustigam Israel, a reação desse país é altamente previsível: lança um ataque militar contra os palestinos ou anuncia a construção de novos assentamentos.

Israel, após ter causado uma grande devastação em novembro na faixa de Gaza, anunciou que construirá três mil novas colônias em Jerusalém oriental e na Cisjordânia em resposta à resolução adotada na semana passada pela Assembleia Geral que eleva o status da Palestina na ONU de "entidade observadora" para "Estado observador não membro".

Os assentamentos foram condenados não apenas pelos Estados Unidos, mas também pela União Europeia (UE) e pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Israel lançou sua represália contra a votação da Assembleia Geral apesar de, paradoxalmente, a ter qualificado de "carente de significado", com afirmou um editorial do jornal The New York Times. A mudança de status obteve esmagadora maioria de 138 votos a favor, nove contra e 41 abstenções.

Stephen Zunes, professor de política e presidente do Departamento de Estudos sobre Oriente Médio na Universidade de São Francisco, disse à IPS: "De fato existe uma longa tradição de Israel em lançar represálias contra os palestinos quando uma votação na ONU não sai como espera". Sempre são os palestinos que sofrem, disse Zunes, que escreveu extensamente sobre temas políticos do Oriente Médio.

Zunes recordou uma caricatura publicada em uma revista dos Estados Unidos na década de 70, mostrando refugiados palestinos encolhidos debaixo de uma barraca enquanto aviões de combate israelenses Phantom (depois substituídos pelos mais sofisticados F-16) bombardeavam seu acampamento. A atribulada família dizia: "Olhe, Israel teve outro dia ruim na ONU".

Estados Unidos e Israel votaram contra a resolução, acompanhados por Ilhas Marshall, Micronésia, Nauru, Palau, Panamá, Canadá e República Checa. Em ao menos outras cinco resoluções adotadas pelos comitês da ONU no mês passado Israel e Estados Unidos receberam o apoio apenas do Canadá e das mesmas quatro pequenas nações insulares do Pacífico, cujo peso político nas Nações Unidas é insignificante.

A população combinada desses quatro Estados membros chega a apenas 191 mil pessoas. Em contraste, 138 países votaram a favor da mudança de status da Palestina, representando cerca de seis bilhões de habitantes. espera-se que padrões similares de votação com as resoluções adotadas pelos dois comitês quando forem submetidas à Assembleia Geral no final deste mês.

Mouin Rabbani, colaborador do Middle East Report e membro do Instituto para Estudos da Palestina, em Washington, disse à IPS que o resultado da votação na Assembleia Geral sobre a Palestina nunca esteve em dúvida. "Aqueles que se opuseram abertamente podem ser contados nos dedos: Israel, Estados Unidos, que é mais pró-Israel do que o próprio Israel, Canadá, que inclusive é mais pró-Israel do que os Estados Unidos, e as ilhas do pacificco", afirmou.

Rabbani ironizou que provavelmente se trate dos últimos votos desses pequenos Estados insulares na ONU, "já que serão recompensados por seus esforços com mais emissões de dióxido de carbno da América do Norte com o consequente aumento do nível do mar", que terminará por fazê-los desaparecer. Também afirmou que a verdadeira duvida é se a resolução terá efeitos concretos, e ressaltou que o novo cenário internacional é animador nesse sentido.

A França lidera um muito respeitável grupo de países da UE que votaram a favor. Alemanha já não é o clássico país obstrucionista do passado, e desta vez se absteve, como a Austrália. Posturar interessante foi apresentada pela Grã-Bretanha, segundo Rabbani.

Os britânicos exigiram em troca de seu voto "que os palestinos regressassem sem condições ao processo de paz, que, na realidade, não existe, e que se comprometessem a não acusar Israel perante o Tribunal Penal Internacional (TPI) por crimes de guerra". Porém, "não obtiveram nenhuma das coisas, então, preferiram a abstenção", disse Rabbani.

No Congresso dos Estados Unidos já há ameaças de cortar o financiamento a todos os órgãos da ONU que aceitarem a Palestina como membro, com ocorreu no ano passado com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). "A verdadeira questão é o que acontece agora", disse Rabbani à IPS.

Reconhecida como Estado, a Palestina poderia aderir ao Estatuto de Roma e passar a ser membro do TPI, com a possibilidade de apresentar denúncias contra Israel por crimes de guerra. Qualquer pessoa familiarizada com a posição dos governos do Ocidente sabe que o que mais os preocupa não é a ONU nem a Assembleia Geral, mas o TPI, disse Rabbani. "Desesperadamente, tentam evitar ter de escolher entre a impunidade de Israel ou apoiar o Tribunal", acrescentou.

As potências ocidentais não têm problemas com o TPI porque até o momento só busca criminosos de guerra africanos, disse Rabbani, também assessor político da Rede Política Palestina (Al-Shabaka). "Estão mortificados pela possibilidade de que isto mude. Não só devem enfrentar essa questão, como também se veem forçados a fazê-lo publicamente. Necessitamos de um tribunal real, e a prova decisiva é que tenha vontade para julgar criminosos de guerra israelenses", afirmou. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Cambio climático en el Caribe es una amenaza inmediata y real
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
 â€œSonámbulos” deciden la suerte de conferencia climática en Bonn
 Yeil es la palabra de moda en vocabulario energético argentino
 Europa, paralizada por la división entre norte y sur
MÁS >>