África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Rio de Janeiro avança em duas rodas
Fabiana Frayssinet

Rio1 Rio de Janeiro avança em duas rodas B, 12/12/2012, (IPS) - Os ciclistas que circulam pelos caminhos traçados para esta finalidade na orla marítima do Rio de Janeiro superam os motoristas, presos em longos engarrafamentos.


Crédito: Cortesia ITDP
Bicicletas no Rio de Janeiro
Uma solução simples, não contaminante e barata que agora as autoridades cariocas estimulam como uma das saídas para o crescente trânsito urbano. A cena, cada vez mais comum no Rio por causa do crescimento econômico, o crédito fácil e a venda estimulada de carros, revelou novos problemas.

"Vendi meu carro porque tinha problemas para estacionar, os estacionamentos são caros, não aguentava mais o trânsito, estressei", conta à IPS a professora de educação física Teresa Moreira, que agora vai de bicicleta para o trabalho. "Quando dirigia, ficava estressada e era mal-educada. Agora, com a bicicleta, não", comemora a ciclista que diariamente viaja pela avenida costeira, entre os bairros de Leme e Leblon, na zona sul da cidade.

Os nós de trânsito acontecem em qualquer parte da cidade e sem hora estabelecida. Pioram com cada fato imprevisto: um acidente, a visita de um presidente ou de um astro de rock, um grande evento internacional ou apenas um dia de compras para o Natal.

"Se no começo o foco era a implantação de ciclovias para lazer, hoje buscamos prioritariamente incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte para médias e curtas distâncias e alimentar o sistema de transporte de massa", explica à IPS a gerente do programa Rio Capital da Bicicleta, da Secretaria de Meio Ambiente do município, Maria Lúcia Navarro.

O Rio de Janeiro é a segunda cidade mais povoada do Brasil depois de São Paulo, com 11,8 milhões de habitantes incluindo sua área metropolitana. No final da década de 1980, começaram a ser implantadas vias especiais que hoje cobrem cerca de 300 quilômetros entre ciclovias, rotas especiais demarcadas nas ruas e faixas compartilhadas com pedestres nas alamedas.

Esse avanço colocou a cidade no primeiro lugar nacional em quilômetros para bicicletas, e no segundo da América do Sul, depois de Bogotá. A bicicleta não emite poluentes nem gases que aquecem a atmosfera, assegura rapidez nos percursos, tem baixo custo e beneficia a saúde "porque pedalar é um exercício aeróbico", afirma Navarro.

Se a rede de ciclovias se integrar a um transporte público de qualidade, "sua eficiência se estenderá a toda a cidade", disse à IPS Zé Lobo, diretor presidente da Transporte Ativo, uma organização não governamental que promove formas alternativas de locomoção.

O interesse da prefeitura foi destacado na nomeação de Carlos Roberto de Figueiredo Osório, ex-secretário de Conservação, à frente da Secretaria de Transportes, segundo Clarisse Cunha Linke, vice-diretora do escritório brasileiro do Instituto de Políticas para o Transporte e o Desenvolvimento (IPTD). Por isto, são esperadas mais políticas de incentivo às bicicletas. Navarro assegura que se avançará em relação aos últimos 20 anos. Hoje, cerca de 4% das viagens de curta e média distâncias (cerca de um milhão de viagens diárias) são feitas de bicicleta. Seus usuários já superam os do trem e das barcas.

O plano municipal 2009-2012 definiu a importância da mobilidade urbana sustentável e, neste contexto, a conservação e ampliação do sistema cicloviário, integrando-o aos demais, a implantação de locais para guardar e alugar bicicletas em vários pontos. Para o período 2013-2016, a previsão é que sejam construídos 150 quilômetros de ciclovias, além de bicicletários (estacionamentos para bicicletas), para chegar a 2016, ano dos Jogos Olímpicos nesta cidade, com uma rede de 450 quilômetros.

A rede de ciclovias "ainda está muito desconectada do sistema de transportes", explicou Linke à IPS. "É preciso pensar como integrar os meios de massa, metrô, trem, vias expressas de ônibus, os pontos de serviços, os bicicletários", acrescentou, lembrando que "se deve começar a pensar a bicicleta não só como lazer mas como meio de transporte". Para atingir essa meta, Navarro se refere a planos de implantar ônibus de trânsito rápido (OTR) com bicicletários em suas estações e com espaço nos veículos para as bicicletas, com planos para expandir esses veículos a zonas de alta densidade demográfica, como a região oeste da cidade.

O IPTD colabora com o governo em assessoramento técnico e estuda com outras organizações um sistema de bicicletas vinculado ao centro da cidade. "Os estabelecimentos comerciais, por exemplo, ainda não veem a bicicleta como algo que pode ajudá-los a ter mais clientela. É importante a iniciativa privada começar a participar mais", destacou Linke. Esta especialista afirmou também que se deve distribuir melhor as ciclovias na trama urbana, pois a maior parte se concentra na faixa costeira.

Para Linke, "se alguém iniciar a viagem de bicicleta e terminar de bicicleta, se conseguirá melhorar o sistema". Moreira aprova medidas já implantadas, como poder levar a bicicleta no metrô nos finais de semana. Mas, "durante a semana, o metrô já está lotado. Imagine se todos decidirem também colocar bicicletas nos vagões".

O setor privado participa com 600 bicicletas compartilhadas que são alugadas principalmente nas áreas turísticas. Para Linke, este sistema deveria ser mais estimulado. O novo plano de transporte contempla um processo de licitação para instalar 200 estações e duas mil bicicletas em áreas menos privilegiadas e mais isoladas. Também é preciso ampliar os lugares de estacionamentos. "Seria necessário atender mais a qualidade total da infraestrutura e não somente sua extensão", afirmou Zé Lobo.

Solange Medeiros, estudante de direito que usa a bicicleta como esporte, considera importante inculcar respeito entre ciclistas e pedestres. "Às vezes, os pedestres caminham pelas ciclovias, e isso causa problemas e perigo de acidentes", disse à IPS. Moreira propõe que as autoridades promovam campanhas de trânsito, inclusive para quem anda de bicicleta elétrica que "circulam a 40 quilômetros por hora, acima do permitido, e atropelam idosos", criticou. Como em tudo, e para evitar o estresse do qual fugiu vendendo o automóvel, "o importante é o respeito", enfatizou. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 ONU niega que esté actuando con desidia en disputa EEUU-Irán por visa
 Sospechosos de terrorismo ante aterrador sistema judicial de EEUU
 Gobierno de Sudán del Sur aprieta la mordaza
 Ruanda se atreve a tener dulces sueños, y con sabor a helado
 Uruguay no es “pirata” por legalizar la marihuana
MÁS >>