África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Desmatamento arrasa o Caribe guatemalteco
Danilo Valladares,

Cidade da Guatemala, Guatemala, 19/12/2012, (IPS) - "Muitos turistas vêm a esta região para ver as aves, mas há um enorme desmatamento que traz consigo o desaparecimento de muita fauna e flora.


Crédito: Gentileza de Daniel Ariano/Conselho Nacional de Áreas Protegidas
A beleza de Punta de Manabique ameaçada.
São áreas utilizadas depois para a pecuária", lamentou Haroldo Figueroa, um guia guatemalteco de áreas protegidas da costa caribenha. Os números lhe dão razão. O departamento de Izabal, na costa guatemalteca banhada pelo Mar do Caribe, é um dos distritos que mostram os mais altos níveis de desmatamento do país, segundo estudos de Dinâmica da Cobertura Florestal 1991-2001 e 2006-2010.

No período 1991-1993 contava com 373.022 hectares de florestas, enquanto em 2010 havia 264.245, segundo as duas publicações preparadas pelos estatais Instituto Nacional de Florestas e Conselho Nacional de Áreas Protegidas, com apoio das universidades privadas do Vale de Guatemala e a jesuíta Rafael Landívar.

"O desmatamento é causado por pessoas ou latifundiários que não levam em conta as consequências disso para o aquecimento global, a pesca e o turismo, e uma vez que há dinheiro, aqui qualquer um pode fazer o que bem entende", disse Figueroa à IPS. Seus efeitos para a zona do Caribe guatemalteco se agravam se considerarmos que nessa região há pelo menos 12 áreas protegidas que funcionam como fontes de subsistência para as comunidades, pois aí se abastecem de água, lenha, frutos e desenvolvem atividades produtivas como pesca e turismo.

Uma destas zonas é Punta de Manabique, declarada refúgio de vida silvestre em 2005 pelo Congresso legislativo, por abrigar uma infinidade de espécies entre arrecifes de coral, peixes, crustáceos, moluscos, aves, mamíferos e outros, ao longo de seus 151.878 hectares. Na área também se encontra o Rio Dulce, de 43 quilômetros de comprimento, margeado por ecossistemas aquáticos e mangues. Esta área protegida, assim declarada em 1955, é abrigo de espécies como o peixe-boi marinho (Trichechus manatus), um mamífero em risco de extinção para cuja proteção funciona no lugar o biótopo Chocón Machacas, outra área preservada.

Em Izabal também fica a Reserva Protetora de Mananciais Cerro San Gil, de 47.434 hectares, cuja importância está no fato de seus 19 rios e afluentes abastecerem pelo menos 50 mil moradores de comunidades aldeãs. O desmatamento, no entanto, está assolando este departamento e, com ele, o sustento das comunidades. Dados da estatal Pesquisa Nacional de Condições de Vida de 2011, os mais recentes, indicam que 54% dos 15 milhões de guatemaltecos vivem em condições de pobreza, e 13% na indigência, arraigada especialmente em territórios indígenas e rurais.

"A perda destes recursos é irreparável para o país em termos produtivos, pois estes maciços florestais oferecem bens e serviços ambientais, como a água, vitais para a população", disse à IPS o ativista Walter Chávez, da não governamental Fundação para o Ecodesenvolvimento e a Conservação.

O desmatamento ilegal da floresta também constitui uma ameaça para as populações diante dos fenômenos naturais. "A floresta constitui uma proteção para os cursos de água diante de eventos atmosféricos catastróficos. Somos um país com alto risco para os efeitos da mudança climática, e assim só aumentamos nossa vulnerabilidade e perdemos uma de nossas barreiras mais importantes", destacou Chávez.

Para este ativista, não há dúvida: o desmatamento que afeta o departamento de Izabal e ameaça suas áreas protegidas é causado, principalmente, pela atividade pecuária e pelo "lucro que representa". Lamentou o fato de "as pessoas acreditarem que uma área com floresta não tem valor, o que é puro desconhecimento, mas é parte da idiossincrasia das pessoas que moram na área".

Chávez disse que o país possui mecanismos para proteger a floresta, como o Programa de Incentivos Florestais, do governo, que propicia o reflorestamento em troca de compensação econômica, "mas é voluntário". Além disso, considera que a presença estatal nas áreas protegidas ainda é "muito limitada e não há uma fiscalização específica para acompanhar as denúncias sobre a destruição de nossas florestas", acrescentou.

Enquanto isso, prossegue o avanço da fronteira agrícola. "Só o que se vê são fazendas de gado. Não saberia dizer quais controles existem ou como são manejadas. Suponho que plantem árvores para semear pastagens para os animais", disse à IPS o morador do lugar Carlos Bartolomé, dono de um pequeno hotel. "O desmatamento representa muitos problemas, como deslizamentos, migrações de aves, enquanto, para a maioria dos turistas, o que os atrai a este lugar é a natureza", ponderou.

Um dos lugares mais ameaçados pelo desmatamento é Punta de Manabique. Gerónimo Pérez, do Instituto de Agricultura, Recursos Naturais e Meio Ambiente, da universidade Rafael Landívar, disse à IPS que este é um mangue dos poucos que restam no mundo, declarado de importância internacional pela Convenção de Ramsar, assinada em 1971 nessa cidade iraniana para preservar ecossistemas prioritários como recursos hídricos e fontes de biodiversidade.

"Esta área oferece proteção para os arrecifes de coral da área do Caribe, abriga inumeráveis espécies animais e vegetais, e fornece serviços ambientais, como água, às comunidades", enfatizou o engenheiro agrônomo. Ainda assim, está sendo devastada. "Apesar de ter um regime de proteção, toda a área de Punta de Manabique tem um acelerado desmatamento pelo aumento das propriedades pecuárias", afirmou Pérez.

A Lei Nacional de Áreas Protegidas considera a conservação, restauração e o manejo da fauna e da flora silvestres um assunto "fundamental para o êxito de um desenvolvimento social e econômico sustentado do país". Além disso, determina a proteção destas áreas mediante sua delimitação, criação de categorias de manejo e estabelecimento de controles para exploração de seus recursos. Contudo, cumprir tudo isso não é tarefa fácil. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: The Islamic State’s Ideology Is Grounded in Saudi Education
 Canada Accused of Failing to Prevent Overseas Mining Abuses
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Rousseff dos y el gran desafío: conjurar la “maldición” económica
 La pobreza infantil española desde los ojos de Encarni
 Miles de cristianos iraquíes, perseguidos por EI, huyen a Jordania
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
MÁS >>