África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

DESTAQUES
Frente regional amazônica para a emergência climática
Milagros Salazar

PUERTO MALDONADO, Peru, 26 de dezembro de 2012, (IPS) - (Tierramérica).- Em um cenário de ameaçadora mudança climática, nasce um projeto para que os governos de cinco países da América do Sul troquem informação sobre os impactos deste fenômeno global na Amazônia e adotem medidas para enfrentá-los.


Crédito: Milagros Salazar/IPS
A colheita de café na selva de Puno, Peru, ilustra o deslocamento de cultivos devido à mudança climática
"Cada vez que alguém espirra no Peru, alguém no Brasil fica gripado. Cada vez que se produz um barril de petróleo no Equador, há um país vizinho que acabará comprando-o", afirma a ecologista Yolanda Kakabadse. O que acontece nos países da América Latina está muito relacionado, com se fossem órgãos vivos de um mesmo corpo, completa Yolanda, ex-ministra do Meio Ambiente do Equador e atual diretora para a América Latina e o Caribe da Aliança Clima e Desenvolvimento (CDKN).

Por essa razão, esta organização impulsiona uma iniciativa para que Brasil, Colômbia, Peru, Equador e Bolívia avaliem - mediante evidência científica - os riscos, impactos e as ameaças da mudança climática que a região amazônica compartilha. Não se trata apenas de medir impactos que já se evidenciam, mas de projetar os danos em médio e longo prazos. Quais implicâncias terá na vida das pessoas mais vulneráveis a temperatura da Terra aumentar dois graus até 2025?, questionou ao Terramérica Carolina Navarrete, do Centro Internacional de Agricultura Tropical (Ciat), que também apoia esta iniciativa.

Para dar uma ideia, o "aumento da temperatura em dois graus poderá fazer com que os cultivos de café tenham que se deslocar 300 metros para cima e o mesmo acontecerá com outros plantios. Como nos prepararmos diante desta situação sem exercer pressão sobre zonas sensíveis, como as áreas naturais protegidas, por exemplo?", perguntou Carolina. A intenção é que as autoridades possam responder com fatos a estas perguntas cruciais para a sobrevivência da população, explicaram Yolanda e Carolina a jornalistas destes cinco países reunidos em Puerto Maldonado, capital da região amazônica peruana de Madre de Dios.

Yolanda informou que o ministro do Meio Ambiente do Peru, Manuel Pulgar Vidal, seria o encarregado de convocar seus colegas dos demais países nos próximos dias, com a intenção de conseguir que sejam definidas, entre janeiro e fevereiro, medidas a serem adotadas. E em abril ou maio chegando a um compromisso formal. Contudo, esse ministério evitou se pronunciar a respeito, pois "ainda trabalha com outros setores e entidades vinculadas ao tema ambiental", segundo comunicado entregue ao Terramérica no fechamento desta edição.

"É preciso transcender os governos da hora, porque os impactos não estão se evidenciando apenas agora, e há muito por fazer em médio e longo prazos", destacou Yolanda ao Terramérica. Como primeiro passo, uma equipe científica acaba de elaborar um informe preliminar que evidencia a vulnerabilidade da Amazônia em um cenário de mudança climática. Para o documento (conduzido por Global Canopy Programme e Ciat, com financiamento da CDKN), os especialistas revisaram mais de 500 publicações dos últimos 15 anos e consultaram sites da internet e plataformas de dados sobre desmatamento e modelagem hidrológica.

O documento enfatiza as ameaças sobre os recursos hídricos, os alimentos e a energia, e como se relacionam entre si. Sem segurança hídrica na região, a segurança alimentar, energética e sanitária não será possível, afirma. O maior impacto será na qualidade da água, por desmatamento, extração de energia, mineração e uso de fertilizantes, entre outras atividades que ameaçam a selva e sua riqueza natural, alerta o estudo. Na última década, duas secas sem precedentes afetaram a Amazônia, em 2005 e 2010, enquanto as inundações arrasaram milhares de hectares de cultivos.

Segundo o britânico Met Office Hadley Centre para a previsão e pesquisa do clima, os eventos extremos se intensificarão e poderão acontecer a cada dois anos até 2025. Neste cenário, a competição pela água aumentará. Os usuários mais poderosos poderão ter maior controle sobre esse recursos, enquanto as populações locais, quase sempre as mais pobres, terão acesso a água de menor qualidade e em menor quantidade, adverte o documento.

A geração de energia também depende em boa parte da Amazônia. No Peru, a selva proporciona 73% da produção total de petróleo e gás natural. As centrais hidrelétricas amazônicas fornecem, por sua vez, mais de um terço da eletricidade no Equador e na Bolívia. Além disso, o apetite pelas grandes reservas provadas de petróleo na Amazônia exerce pressão sobre a proteção dos ecossistemas frágeis, em um contexto onde a energia gerada pelas hidrelétricas pode ser afetada pela mudança do comportamento dos rios.

A ameaça está ao alcance da mão. O total da energia hidrelétrica da Amazônia do Brasil é estimado em 116 gigawatts (GW), dos quais são explorados apenas 16 GW. Do restante desse potencial, 25% afetaria territórios indígenas e 16% está em áreas naturais protegidas, detalha o informe. Simultaneamente, cresce a exportação de alimentos proporcionados pela Amazônia, um território em que, paradoxalmente, um em cada três habitantes passa fome.

O surgimento de vetores de enfermidades em zonas antes não imaginadas - como a malária de climas quentes no frio Lago Titicaca - também exige enfrentar o problema em bloco, afirmam os especialistas. Todos esses impactos e projeções revelam que "o planejamento de longo prazo é importante, como a gestão do risco no presente", pontuou Carlolina. Yolanda ressaltou que, em qualquer caso, não se deve perder de vista a enorme importância que tem a conservação da Amazônia e das suas áreas naturais protegidas. São "o cofre" que devemos preservar para tempos ainda mais difíceis que se avizinham, alertou. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Mubarak Acquitted as Egypt’s Counterrevolution Thrives
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 La no violencia y el extraviado mensaje de Jesús
 Del sueño americano a la pesadilla de la deportación
 El día que anticastristas y la CIA atentaron contra la ONU
 Desarrollo sostenible gana impulso en excolonias europeas
 Ley homofóbica excluye a gays de lucha contra el sida en Zimbabwe
MÁS >>