África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 


De Doha a Dakar, a insegurança alimentar é a regra
Mantoe Phakathi

DOHA, 03 de janeiro, (IPS) - O Qatar pode ser um dos países mais ricos no mundo, mas tem algo em comum com os seus homólogos africanos - insegurança alimentar.

Esta nação do Médio Oriente produtora de petróleo importa 90 por cento da sua alimentação devido ao facto de ser um país seco.

"A alimentação é muito dispendiosa aqui," disse à IPS um taxista, imigrante ganês, que preferiu ficar anónimo. "Um litro de gasolina é mais barato do que água," disse o taxista, que passou a última semana a transportar os delegados da décima oitava Conferência das Partes (COP 18) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas para o local de reunião.

Embora os problemas de insegurança alimentar do Qatar resultem do seu terreno, os países africanos debatem-se com insegurança alimentar devido à pobreza e aos padrões climáticos irregulares que reduziram dramaticamente a produção agrícola nos últimos anos, disse à IPS Emmanuel Seck, director de programas da organização Acção em Matéria de Desenvolvimento e Meio Ambiente no Terceiro Mundo, sediada em Dakar.

Uma vez que os países africanos porfiam por utilizar os seus vastos recursos terrestres para melhorar a produção alimentar devido às alterações climáticas, o Qatar, tal como os outros estados do Golfo e as economias emergentes como a China, está a alugar ou a comprar terras em África, explicou Seek. De acordo com um relatório do Instituto de Oakland, os investidores nos Estados Unidos e na Europa são líderes na aquisição de terra no estrangeiro.

Mas países em desenvolvimento como a Suazilândia estão já a harmonizar as suas polítcas em relação à produção e ao fornecimento de alimentos para o Qatar, tendo as duas mornarquias estabelecido relações diplomáticas.

"Temos muita terra virgem no nosso país que pode ser usada para produzir alimentos para o Qatar a fim de impulsionar a nossa economia," disse o director da missão técnica d Suazilândia à COP 18, Mbuso Dlamini.

A Suazilândia, porém, não produz produtos alimentares básicos suficientes para os seus cidadãos, e importa a maioria desses alimentos da África do Sul, país vizinho. O sector que mais produz moeda estrangeira na Suazilândia é o açúcar.

Segundo o último relatório do Instituto Worldwatch, dos 70.2 milhões de hectares de terras alugados ou comprados em todo o mundo na última década, 34.3 por cento encontram-se em África. O Qatar e outros estados do Golfo adquiriram um total de 6.4 milhões de hectares de terra nos países em desenvolvimento.

Bruce Campbell, director de programas do Consórcio dos Centros de Pesquisa Agrícola Internacional (CGIAR) e Programa de Pesquisa sobre Alterações Climáticas, Agricultura e Segurança Alimentar (CCAFS), afirmou que era necessário estabelecer um equilíbrio para assegurar que as comunidades pobres que dependem da agricultura de subsistência não fossem expulsas das suas terras para abrir caminho ao desenvolvimento agrícola levado a cabo por governos estangeiros e multinacionais.

"Os países precisam de implementar mecanismos que garantam que o aluguer de terra não marginaliza essas comunidades," afirmou Campbell à IPS.

Disse ainda que o aluguer de terra não era necessariamente uma má ideia visto que algumas pessoas estavam a afastar-se da agricultura de subsistência para procurarem emprego. Segundo Campbell, as directrizes sobre Posse Responsável da Terra, Pescas e Florestas no Contexto da Segurança Alimentar liderada pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) iria ajudar os países a atingirem este equilíbrio.

A Drª Emma Limenga, investigadora tanzaniana da Universidade de Dar es Salaam, alertou os governos africanos a não alugarem a terra por longos períodos. Normalmente, os acordos de aluguer de terra têm uma duração de 99 anos, o que, segundo Limenga, podia ameaçar a segurança alimentar das gerações futuras.

"Lembrem-se que as gerações futuras não são responsáveis pelas decisões que tomamos agora," recordou Limenga numa entrevista concedida à IPS. "Um aluguer de 10 a 20 anos é razoável."

Explicou que o aluguer de terra e a justificação dessa prática dizendo que criava empregos não eram certa nem errada. Salientou ainda que, embora as comunidades mais pobres possam ter acesso à terra, podem não ser capazes de comprar os alimentos devido ao desemprego.

"Algumas comunidades não chegam a cultivar a terra devido a padrões climáticos imprevisíveis.... O acesso a empregos ajuda as pessoas a adquirirem alimentos," afirmou Limenga.

Burger Patrice, director executivo da ONG Centro de Acções e Realizações Internacionais, disse à IPS que a pobreza em África não devia ser uma desculpa para a "apropriação de terras".

Patrice explicou que a reabilitação das terras áridas constituía a solução para a apropriação de terras e a insegurança alimentar.

"As terras áridas são o resultado das variações climáticas durante muitos anos," indicou. "É mais barato reabilitar a terra através da utilização de adubos e da agricultura ecológica do que deixar que ela continue a deteriorar."

"É no interesse de países como o Qatar começar a produzir os seus próprios alimentos dado que, a certa altura, o petróleo vai esgotar-se e não poderá depois financiar os elevados custos da importação de produtos básicos," referiu Patrice. Disse ainda que, apesar de terra ter sofrido o maior impacto das alterações climáticas, as negociações em Doha, a capital do Qatar, tinham ignorado esse mesmo aspecto. Afirmou igualmente que a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação era um primo pobre no sistema das Nações Unidas porque a terra não tinha recebido o destaque que merecia. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
 OPINION: Violations of International Law Denigrate U.N.
 Public Offers Support for Obama’s Iraq Intervention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ya pasó la época del carbón
 Parques eólicos mexicanos violarían normas de la OCDE
 ONG piden a Banco Mundial más cambios en informe sobre negocios
 Las relaciones Internacionales, la ONU e Inter Press Service
 Los refugiados climáticos se quedarán sin estatus legal
MÁS >>