África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

A China também se volta para a Ásia central
oshua Kucera*

Washington, Estados Unidos, 8/1/2013 (IPS/EurasiaNet) , (IPS) - A China está cada vez mais ativa na Ásia central, construindo gasodutos e lançando grandes projetos de infraestrutura, bem como expandindo sua presença diplomática e cultural.

Ao mesmo tempo, Pequim incrementa seu controle sobre a província de Xinjiang, fronteiriça com as antigas repúblicas soviéticas, criando também ambiciosos projetos de desenvolvimento, promovendo o assentamento do maior grupo étnico chinês, os han, e contendo agressivamente todas as expressões de nacionalismo do povo uigur.

Entretanto, parece difícil definir a principal motivação por trás destas políticas. Analistas que estudam a atividade chinesa na Ásia central diferem sobre qual é o maior interesse de Pequim na região. Uns afirmam que seus esforços para pacificar Xinjiang têm o objetivo de convertê-la em uma plataforma segura a partir da qual expandir-se economicamente. Outros afirmam o contrário, que Pequim, na realidade, procurar criar laços para atrair para Xinjiang o resto da China e dessa forma fortalecer o país para o interior.

Os projetos chineses mais notáveis na Ásia central são gasodutos, especialmente o que liga o país com o Turcomenistão. A China também trabalha para melhorar as redes de transporte na região, construindo novas estradas e túneis, por exemplo no Tajiquistão. Além disso, concedeu empréstimos a juros baixos para países da Ásia central por conta da última crise financeira internacional, ao mesmo tempo em que fortaleceu os laços educacionais e culturais.

No entanto, a meta de Pequim com estes projetos continua sendo nebulosa. Até agora, a Ásia central era uma baixa prioridade para o governo chinês, e sua política para a região era pragmática, baseada em acordos entre companhias ou órgãos governamentais, disse Alexandros Petersen, analista do Centro Woodrow Wilson. "Não existe uma grande estratégia para a Ásia central por parte de Pequim. O que existe é uma confluência de todas as atividades desses atores variados. Isto faz com que a China se converta no ator mais consequente da região", afirmou.

Em certa medida, os vínculos da China com a Ásia central se assemelham aos que constrói com a África e a América Latina, com forte ênfase na extração de recursos. A política de Pequim em relação à Ásia central "pode ser um reflexo da mais ampla estratégia chinesa para o mundo exterior, que implica a obtenção de recursos naturais e muito comércio", opinou, por sua vez, Sean Roberts, professor da Universidade de Washington. E a Ásia central é perfeita para esse objetivo, acrescentou, considerando que é rica em recursos e representa o primeiro passo na rota que a China construir para comercializar com o Ocidente.

Entretanto, outros analistas sustentam que o interesse na extração de recursos é secundário, e que Pequim, na verdade, é movida pela necessidade de pacificar Xinjiang. Para Kilic Kanat, especialista político da Universidade da Pennsylvania, "naturalmente a instabilidade do Turquistão Oriental (Xinjiang) é o mais importante, tanto para atrair investimentos estrangeiros diretos para a região como para proporcionar um terreno seguro para o comércio e as interações econômicas". Segundo Kanat, "a estabilidade da região também contribuirá para a estratégia econômica mundial da China, mas, eles entendem que primeiro devem colocar a casa em ordem".

Kanat afirma que os esforços para pacificar Xinjiang, e dissipar todo movimento separatista ali, têm por objetivo promover o desenvolvimento econômico. Porém, não funciona de acordo com o previsto por Pequim em razão de as demandas dos uigures terem a ver com direitos culturais e políticos, mais do que econômicos. Além disso, em todo caso, o desenvolvimento econômico somente ampliou a brecha de riqueza entre os uigures e os han, acrescentou o especialista.

Kanat, Peterson e Roberts participaram no dia 13 de dezembro do encontro "A China na Ásia meridional, central e sudeste", realizado na Universidade de Washington, na capital norte-americana. Envolverde/IPS

* Joshua Kucera é escritor radicado em Washington especializado em temas de segurança na Ásia central, no Cáucaso e no Oriente Médio. É editor do blog The Bug Pit, da EurasiaNet, onde este artigo foi publicado originalmente. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Mubarak Acquitted as Egypt’s Counterrevolution Thrives
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Desarrollo sostenible gana impulso en excolonias europeas
 Ley homofóbica excluye a gays de lucha contra el sida en Zimbabwe
 A los migrantes les barren el sueño europeo en Trípoli
 La economía de Kenia crece, pero los pobres no se enteran
 EEUU-Cuba, el principio del fin de un histórico enfrentamiento
MÁS >>