África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Japão, necessitado de mão de obra, despreza as mulheres
Daan Bauwens

Tóquio, Japão, 1/2/2013, (IPS) - Apesar das leis progressistas e um sustentado aumento no número de mulheres empregadas, o Japão está atrasado em matéria de igualdade de gênero.


Crédito: Daan Bauwens/IPS.
Japao Japão, necessitado de mão de obra, despreza as mulheres Homens no Japão se dirigem ao trabalho. Continuam sendo maioria no campo profissional.
Há uma discriminação generalizada que se tornou mais sutil nos últimos anos. O Japão é um dos países mais industrializados do mundo, mas sempre se manteve apegado às suas tradições. Além disso, os papéis tradicionais de gênero também são uma fonte de desigualdade na terceira economia do mundo.

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o Japão é o país rico mais desigual do mundo neste aspecto, e isto tende a se ampliar. Em outubro, o informe anual do Fórum Econômico Mundial sobre brecha de gênero baixou o Japão de categoria, do 99º para o 101º lugar, junto com Tajiquistão e Gâmbia, em termos de igualdade política e social.

A professora de sociologia Yuko Ogasawara, da Universidade de Nihon, em Tóquio, não se surpreende com a degradação. "Neste país continua sendo impossível combinar trabalho e família", disse à IPS. "Essa é a principal razão da desigualdade. Espera-se que homens e mulheres trabalhem até às 22 horas todos os dias. Se você quer formar uma família, obviamente isto é um obstáculo", observou.

Há 15 anos, Ogasawara publicou Mulheres de escritório e homens assalariados, no qual descreve o típico uso do espaço em um escritório no Japão, onde as mulheres devem realizar tarefas administrativas e servir chá, enquanto os homens sobem na escala hierárquica. "Mudou muito desde então", apontou a professora à IPS. "Há mais mulheres em cargos executivos, elas têm mais oportunidades. No entanto, há um problema que persiste: 70% delas deixam de trabalhar após terem o primeiro filho", acrescentou Ogasawara.

"Depois de criar os filhos, é muito difícil para as mulheres voltarem a trabalhar", pontuou Kathy Matsui, economista de um dos maiores bancos do Japão, que estuda o emprego feminino neste país desde 1999. "Frequentemente, o problema está dentro das organizações e em seus sistemas de avaliação", afirmou à IPS. "A maioria dos departamentos de recursos humanos rejeita as mulheres quando há um vazio de dez anos em seu currículo. Para eles significa que se esqueceram de tudo o que aprenderam e, portanto, não estão aptas para serem contratadas. É uma discriminação sutil", explicou.

"As mulheres que querem refazer suas carreiras só conseguem trabalho de tempo parcial por um salário baixo", detalhou Ogasawara. "Estão muito mal remuneradas em comparação com quem trabalha em tempo integral, por isto muitas companhias querem manter o sistema como está, pois têm mão de obra barata", ressaltou. A discriminação está profundamente enraizada nas instituições.

"O Japão tem muitas leis contra a discriminação de gênero", disse Yoshiyuki Takeuchi, professora de economia da Universidade de Osaka. "Mas os sistemas de impostos, de pensões, a seguridade social e o seguro de saúde estão baseados em um modelo de família de quatro membros, com um pai que trabalha e uma mãe que cuida das tarefas domésticas", explicou Takeuchi.

Neste país "as empresas pagam salários maiores para os homens com esposas que não trabalham. As mulheres que retomam um emprego em meio período têm menor renda. Estas são normas e leis criadas na década de 1970 em função da realidade econômica da época, e não mudaram muito. Atualmente, impedem que as mulheres voltem a trabalhar", acrescentou Takeuchi.

Mas a realidade econômica japonesa muda muito rápido. Este país está muito comprometido pela paralisação econômica iniciada há 20 anos. A população envelhece rapidamente, a taxa de natalidade diminui e as previsões indicam que a população diminuirá 30% até 2055. "A população diminui e o país não está muito aberto à imigração", apontou Matsui.

"Não há outra solução a não ser aproveitar mais a população existente. As mulheres representam 50% dos habitantes do país, têm um elevado nível de educação, mas deixam de trabalhar ao chegarem a determinada idade", disse Matsui. "Não há outra opção a não ser tomar medidas para que as mulheres continuem trabalhando. Não é uma perspectiva feminista, mas uma análise objetiva de uma economista", ressaltou.

Entretanto, a sociedade japonesa não parece muito disposta a aceitar essa ideia. Uma pesquisa do governo, realizada em dezembro, revelou que 51% dos entrevistados pensam que as mulheres devem ficar em casa e cuidar da família, enquanto os maridos trabalham. Essa quantidade é 10,3% mais do que o resultado de um estudo semelhante feito em 2009. O aumento foi especialmente destacado na faixa etária entre 20 e 30 anos.

"A atual geração jovem sabe como é crescer com uma mãe que trabalha", explicou Suzanne Akieda, arqueóloga belga que vive e trabalha no Japão há 40 anos. "Antes, muitas mulheres deixaram de lado sua vida pessoal para seguir uma carreira. Agora, muitas começaram a reconsiderar se isso foi correto. Essa é a reação", acrescentou. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
 Las trabas contra el desarrollo están en el sistema internacional
 Equidad de género para mujeres y hombres por igual
 Los sijs, víctimas de persecución religiosa en Pakistán
MÁS >>