África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Bem-vindo apoio masculino contra a mutilação feminina no Quênia
Miriam Gathigah

Nairóbi, Quênia, 8/2/2013, (IPS) - Para a comunidade samburu, no norte do Quênia, já foi terrível o fato de Julius Lekupe não conceber um varão, mas pior foi sua filha mais velha se negar a ser "cortada".


Crédito: Miriam Gathigah/IPS
Nimo Omar, de 17 anos, se salvou do “corte” aos seis anos graças à intervenção de seu irmão mais velho.
As "mulheres são como uma propriedade por aqui. As circuncidamos e as casamos até com dez anos", disse Lekupe à IPS. Ele sabia que era questão de tempo antes que sua filha de 16 anos tivesse que se submeter a esse ritual contra sua vontade. A mutilação genital feminina (MGF) implica a extirpação total ou parcial dos órgãos sexuais externos da mulher sem justificativa médica e por motivos culturais.

"Ela implorou para apoiá-la e protegê-la. Foi uma decisão difícil, mas concordei. A enviei a Nairóbi para viver com um amigo", contou Lekupe. Ele pertence a um grupo cada vez maior de homens de diferentes grupos étnicos que praticam essa mutilação e que começaram a se opor ao agora ilegal procedimento neste país da África oriental. O parlamento adotou em 2010 a lei de Proibição da Mutilação Genital Feminina, que prevê sete anos de prisão para os infratores e até multa de US$ 5,8 mil, uma quantia enorme neste país onde o salário mensal médio é de US$ 250. A combinação desta lei e da mudança de atitude na comunidade parece dar resultados.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Fundo de População das Nação Unidas (UNFPA) divulgaram, no dia 6, dados atuais que mostram uma redução na prevalência da MGF no continente, e em especial nas gerações mais jovens de meninas. As agências destacaram o Quênia como um exemplo de redução drástica na região, e disseram que "as mulheres entre 45 e 49 anos têm três vezes mais possibilidades de terem sido cortadas do que as da faixa etária de 15 a 19 anos", diz o comunicado.

"Este avanço mostra que é possível acabar com a MGF", disse o diretor executivo do Unicef, Anthony Lake. "Podemos e devemos acabar com ela para ajudar milhões de meninas e mulheres a terem uma vida mais sadia", destacou. Cada vez mais homens assumem um papel ativo na promoção dessa mudança cultural, diz o informe do UNFPA de 2012 Acelerando a Mudança.

Além de pais como Lekupe, que desejam proteger suas filhas, os jovens no Quênia expressam publicamente seu desejo de casar com mulheres não circundadas, segundo o informe. Uma mudança significativa em um país onde há comunidades nas quais a ablação continua sendo um requisito para o casamento. Além disso, cerca de 20 líderes muçulmanos declararam publicamente uma luta contra este procedimento em 2011, segundo o UNFPA.

"Nos enganaram para crermos que a MGF é uma prática do profeta Maomé e que seus seguidores devem respeitá-la", disse a esta agência Abdi Omar, pai de uma filha na localidade de Garissa. "No entanto, em todo o norte do Quênia há líderes muçulmanos que nos dizem que não é assim. Por que vou apoiá-la se não é uma prática do profeta?", perguntou.

Segundo Ibrahim Shabo, ativista contra a MGF na localidade de Isiolo, a postura dos líderes muçulmanos é determinante para incidir na população somaliana assentada no Quênia, entre a qual a prevalência desta prática é de 98%. Em Isiolo, 285 quilômetros ao norte de Nairóbi, há uma comunidade pastoril conhecida por seu consistente uso da ablação.

Em Kapenguria, no Vale do Rift, o conselho local de anciões uniu-se em 2011 ao coro de vozes contra a MGF, mediante uma declaração convocando para o abandono desta prática. "Esta é uma comunidade conhecida pelas suas formas extremamente brutais de fazer a MGF", disse à IPS o líder comunitário Philipo Lotimari. Ele explicou que esses métodos incluem abrir a vagina da menina com um chifre de vaca na primeira vez que mantém relações sexuais após a ablação.

A posição do conselho, integrado apenas por homens, conseguiu uma mudança de atitude, ao passar a "mensagem coletiva de que aprova o casamento com uma menina não circundada", disse Lotimari. Suas irmãs menores não foram mutiladas porque ele queria que estudassem e não se casassem, explicou.

Porém, nem todos os homens têm motivos altruístas para serem contra a ablação. Omar, o pai residente em Garissa, disse que os jovens da região são contra porque sentem que também são "vítimas" dessa prática. "Se costuram muito apertado a vagina não dá para penetrar nem desfrutar do sexo. Os casamentos terminam por isso", explicou.

O médico Salim Ali, especializado em saúde reprodutiva, do norte do Quênia, disse à IPS que "as relações sexuais com mulheres mutiladas são incômodas e elas o fazem por dever. Raramente têm um orgasmo e o sexo se torna entediante. As que não foram cortadas têm sexo mais seguidamente e desfrutam dele".

Há outros casos em que os homens, cujas esposas sofreram complicações no parto, são obrigados a pagar operações de emergência para salvá-las e os bebês, disse à IPS a ativista Grace Gakii, que trabalhou em comunidades que praticam a ablação como a masái e a pokot. "Precisam vender seu gado para conseguir dinheiro para a cirurgia. É um problema, apesar do apego que sentem pela prática", acrescentou.

Embora nem todos os homens contra à mutilação feminina sejam aliados das mulheres, seu apoio é fundamental para acelerar a erradicação desta prática. "Se mais conselhos de anciãos e jovens continuarem demonstrando seu apoio a uma sociedade sem MGF, o Quênia avançará para a tolerância zero a esse respeito", acrescentou Gakii. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Parteras ayudan a bajar la mortalidad materna en Sierra Leona
 Los tiempos de la migración de supervivencia
 Las grandes represas y su relación con la mala calidad del agua
 Crece movilización contra abuso de antibióticos en India
 Retiro digno en El Salvador pasa por reformar privatizado sistema
MÁS >>