África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Ambientalistas criticam plano sobre vazamentos no Ártico
Joe Hitchon

Washington, Estados Unidos, 8/2/2013, (IPS) - Ambientalistas alertaram sobre a fragilidade de um plano inadequado para proteger o Oceano Ártico de vazamentos de petróleo, após a reunião mantida na Suécia pelos ministros de Meio Ambiente dos países com territórios na área.


Crédito: Domínio público
As altas temperaturas fazem com que o Oceano Ártico, que costumava estar congelado na maior parte do ano, agora seja um canal de navegação aberto mais da metade do tempo.
Segundo a organização ambientalista Greenpeace, uma cópia que vazou do documento sugere que os oito membros do Conselho do Ártico não chegaram a um acordo no dia 4 sobre os detalhes técnicos necessários para enfrentar um vazamento de grande magnitude.

Isso apesar de terem aberto a porta para mais perfurações e explorações petroleiras na região. "Não estamos impressionados pelo que vimos nesse documento totalmente inadequado", disse à IPS um membro do Greenpeace em Washington, Ben Ayliffe. "Não há nada para preparar os governos em caso de desastre nem para proteger o Ártico", acrescentou. Segundo o Portal do Sistema das Nações Unidas para o Clima, o gelo do Ártico atingiu em 2012 seu menor nível registrado. O degelo, que os dados científicos atribuem à mudança climática acelerada pelas atividades humanas, criou uma virtual febre do ouro na região.

As elevadas temperaturas fazem com que o Ártico, que costumava estar congelado a maior parte do ano, agora seja um canal de navegação aberto durante mais da metade do tempo. A consequência foi uma debandada para reclamar direitos sobre seu território, que segundo estimativas da organização norte-americana Geological Survey, contém 22% dos recursos energéticos do mundo ainda não descobertos.

Segundo o biólogo Richard Steiner, especialista do Alasca em vazamentos de petróleo, 46 navios mercantes navegaram no último verão boreal pelo que agora se conhece como a Rota do Mar do Norte, dez vezes mais do que há apenas dois anos. "Houve um aumento impressionante da navegação no Oceano Ártico, especialmente com produtos petroleiros muito perigosos", disse à IPS.

Steiner também ressaltou que um aumento das perfurações na região exige leis severas. No entanto, o acordo do Conselho Ártico carece de padrões de rendimento técnico, mecanismos de controle e pautas operacionais. "Seguem adiante com o desenvolvimento de perfurações e a navegação sem as salvaguardas apropriadas. É realmente trágico. Temo que esperam um grande vazamento para implantarem sistemas adequados", lamentou.

Steiner acrescentou que isso foi o que aconteceu no caso Exxon Valdez, em que um petroleiro encalhou no Alasca em 1989. "Temo que isto também aconteça no Ártico. Apesar das lições aprendidas, muito pouco mudou em matéria de políticas de prevenção", afirmou.

O Conselho do Ártico, criado em 1996, é integrado por países com territórios nessa área: Canadá, Dinamarca (pela Groenlândia), Estados Unidos (pelo Alasca), Finlândia, Islândia, Noruega, Rússia e Suécia. O novo tratado sobre vazamentos será assinado por seus membros em maio, quando se converterá no segundo acordo selado pela organização intergovernamental desde que o acordo de busca e resgate foi subscrito em 2011.

Entretanto, Ayliffe diz que o documento não atende de forma adequada as questões complexas que implica um possível vazamento na região. "É um pesadelo. As dificuldades técnicas de responder a um desastre que ocorra sob uma geleira a uma milha de profundidade tornam impossível uma operação como a que a multinacional British Petroleum teve que fazer no Golfo do México", advertiu.

Apesar das garantias oferecidas pelo Conselho do Ártico, de que o acordo incluiria medidas de proteção ambiental específicas, como estratégias de prevenção e de recuperação após um vazamento, Ayliffe apontou que o acordo "não detalha uma resposta essencial, métodos para tapar um buraco ou limpar animais e habitats prejudicados. Por outro lado, se baseia em declarações vagas sobre as medidas que deverão tomar as nações da área com os recursos disponíveis", acrescentou.

O documento tem uma redação ambígua sobre os vazamentos, só pede aos países que tomem "medidas adequadas" para evitar o problema, sem indicações específicas nem requisitos. Também carece de pautas sobre a responsabilidade das companhias petroleiras em caso de desastre e de instruções sobre como gerir de forma adequada um vazamento.

"Nenhuma petroleira jamais testou sua capacidade de resposta a um vazamento nas geleiras, e o acordo não tem nada sobre como as companhias vão deter ou limpar um desastre como o de Deepwater Horizon", disse Ayliffe.

Ele se referia à torre de perfuração da firma suíça Transocean Ltd que alugava à BP e que explodiu e pegou fogo em 20 de abril de 2010 no Golfo do México diante da costa do Estado norte-americano de Lousiana, afundando dois dias depois. Durante três meses vazaram quase cinco milhões de barris (de 159 litros). "Temos esperanças de que devido ao mal-estar gerado por este documento haja tempo antes de maio para preencher algumas lacunas", acrescentou Ayliffe. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: Fighting ISIS and the Morning After
 Nuclear Deal with Iran Likely to Enhance U.S. Regional Leverage
 U.S. Ground Troops Possible in Anti-ISIS Battle
 Declining Majority Still Supports “Active” U.S. Role in World Affairs
 U.S. Bypasses Security Council on Impending Invasion of Syria
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 La “suerte” de las refugiadas sirias en Iraq
 La nueva ONU frente a la balcanización del mundo
 América Latina y el Caribe se hallan en una encrucijada climática
 Acuerdo nuclear con Irán reforzaría posición de EEUU en la región
 ONU lanza ambicioso plan humanitario en Gaza
MÁS >>