África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

O empreendimento social decola no Japão
Daan Bauwens

Tóquio, Japão, 6/3/2013, (IPS) - Após duas décadas de paralisia econômica e desastres naturais em série, cada vez mais japoneses acreditam que o empreendimento social é a melhor maneira de reconstruir sua sociedade.


Crédito: Daan Bauwens/IPS
Após duas décadas de crise, cada vez mais japoneses querem fazer negócios para o bem da sociedade e não apenas por dinheiro.
Masami Komatsu, de 37 anos, é um deles. Fundou sua companhia de investimentos Music Securities em 2001, poucos anos depois da crise bancária japonesa de 1998. "Não havia mais investimentos em setores vulneráveis como música, artesanato ou produção de saquê", a bebida tradicional japonesa, disse à IPS.

Então, "fizemos o possível para que as pessoas começassem a investir no que pessoalmente eu considerava importante e que deveria ser mantido vivo", descreveu Komatsu. No entanto, a Music Securities não funciona com doações. É um fundo de investimento com retornos que atualmente ficam entre os de melhor desempenho do país, manejando cerca de 33 bilhões de ienes (US$ 352,5 milhões) de aproximadamente 50 mil acionistas, entre eles algumas das empresas mais ricas do Japão.

Em 2009, Komatsu criou o primeiro fundo de microfinanças do Japão, que permitiu às pessoas investirem em projetos de microcréditos no Camboja. Atualmente, a Music Securities é a maior financiadora privada das empresas de reconstrução que sofreram perdas devido ao terremoto e ao tsunami de 11 de março de 2011.

"Um mês depois da catástrofe, visitamos a área e sugerimos nosso plano aos líderes das empresas locais", contou Komatsu. "Tivemos a sensação de que tínhamos de fazer algo. Não nos oferecemos como voluntários, mas sim usar nossa empresa já existente para resolver os problemas das áreas danificadas", explicou. Até agora, mais de 25 mil pessoas investiram no total mais de US$ 1 bilhão no fundo do tsunami.

A Music Securites se adiantou ao seu tempo. Somente em 2005 a Universidade Keio, de Tóquio, uma das mais antigas do Japão, começou a usar o conceito de empreendimento social, um negócio gerador de ganhos cujo objetivo não é o lucro pessoal, mas o cumprimento de um objetivo social. E nos últimos anos o fenômeno parece ter ganho impulso rapidamente.

Em 2011, Fukuoka, na ilha japonesa de Kyushu, foi a segunda cidade do mundo a ser nomeada "cidade de empresas sociais" por difundir o conceito do empreendimento social em todo o continente asiático. Em Bangladesh, Mohammad Yunus, prêmio Nobel que desenvolveu a ideia do empreendimento social, inaugurou o primeiro centro mundial de empresas sociais na sede da Universidade de Kyushu.

Segundo o Ministério da Economia do Japão, a quantidade de empresas sociais passou praticamente de zero em 2000 para mais de oito mil em 2008, que no conjunto empregam cerca de 320 mil pessoas. Não há dados sobre o número atual, mas tudo indica que o fenômeno aumentou ainda mais desde então. Por exemplo, na Escola NEC-ETIC de Empreendimento Social de Tóquio, o número de candidatos cresceu cinco vezes desde 2010.

Desde o começo, Nana Watanabe foi uma das forças motoras do empreendimento social no país. Por intermédio de seu trabalho como jornalista e fotógrafa independente, entre 2000 e 2005 apresentou ao público japonês mais de cem empreendedores sociais mediante várias publicações. "O Japão ficou sem modelos para seguir após o estouro da bolha econômica. Isso levou a um estado geral de depressão. O país não sabia o que fazer", contou.

Em 1999, "descobri a nova onda do empreendedorismo social, que surgia entre os estudantes de elite nos Estados Unidos. Imediatamente pensei: é disto que precisamos", explicou Watanabe à IPS. Em 2011, ela fundou o capítulo japonês da Ashoka, uma organização não governamental internacional que apoia o trabalho de aproximadamente dois mil empreendedores sociais em 60 países.

"O empreendimento social é, definitivamente, um fenômeno emergente, e o motivo é simples: as pessoas estão cada vez mais decepcionadas com as grandes empresas do Japão. Os jovens de agora viram seus pais sacrificarem suas vidas em troca da promessa de um emprego por toda a vida, só que foram demitidos nos últimos anos", afirmou Watanabe. Cada vez mais jovens preferem iniciar um negócio por conta própria, acrescentou.

"O mito da eficiência do governo japonês ruiu", declarou Toshi Nakamura, líder do Kopernik, um site que oferece soluções tecnológicas para problemas em comunidades rurais de nações em desenvolvimento. "Até meados da década de 1990, as pessoas tinham fé nos tecnocratas do governo para conduzir a economia e proporcionar serviços sociais", pontuou à IPS. "Mas isto já não acontece, e a população se deu conta de que vários assuntos sociais têm que - e podem - ser abordados pelos cidadãos comuns", acrescentou Nakamura.

Não é apenas a desilusão com as empresas tradicionais ou o governo que inspira os japoneses a participarem das empresas sociais. "Depois da crise financeira, vimos uma volta aos valores tradicionais", opinou o analista empresarial Kumi Fujisawa. "As pessoas não buscam lucro no curto prazo, preferem se concentrar em perspectivas de longo prazo. Há um regresso ao idealismo, as pessoas querem contribuir novamente com a sociedade", ressaltou.

Pesquisas encomendadas pelo governo indicam que o valor do trabalho começou a ser reconsiderado no Japão desde o começo da crise financeira. A quantidade de pessoas que responderam que desejam trabalhar "para contribuir com a sociedade" aumentou drasticamente depois do estouro da bolha acionária, passando de 46% para 64% em 1991. Esse índice atualmente supera os 65%. "Este é o resultado de uma nova atitude de olhar para dentro", afirmou Hirofumi Yokoi, presidente da Fundação Akira, uma das organizações mais influentes do país, que desde 2009 incentiva o empreendedorismo social.

"A crescente incerteza e ansiedade em relação ao futuro levou a uma mudança de comportamento. Para muitos jovens japoneses, o empreendimento social não é apenas uma maneira de solucionar problemas econômicos, sociais e ambientais. Também é uma maneira de enfrentar desafios pessoais", afirmou Yokoi. "Terão de trabalhar como parte de uma comunidade e desenvolver a confiança em si mesmos, a amizade, a concentração, a autorrealização e a inclusão social", acrescentou.

Watanabe disse à IPS que "é verdade que as pessoas começam a reconsiderar o valor do trabalho, mas a maioria ainda carece da coragem para agir a respeito. O empreendimento social, definitivamente, está decolando, mas temos que ser cautelosos e não superestimar seu êxito". E acrescentou que, "primeiro é preciso que as pessoas sejam muito criativas. Depois, neste momento está muito na moda dizer que alguém iniciou uma empresa social. Mas, no fim, a maioria ainda busca segurança e dinheiro", concluiu a fotógrafa. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
 OPINION: Violations of International Law Denigrate U.N.
 Public Offers Support for Obama’s Iraq Intervention
 Despite Current Debate, Police Militarisation Goes Beyond U.S. Borders
 Does Iceland Gain From Whaling?
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Karachi atrapada entre criminales armados y guardaespaldas
 Migrantes deportados de EEUU, sin protección en frontera mexicana
 Uganda retrocede con ley que estigmatiza a personas con VIH/sida
 La difícil integración de cazadores y recolectores en India
 Las iglesias en pie de guerra contra minería a cielo abierto
MÁS >>