África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

A Arca de Gaza se dispõe a desafiar Israel
Eva Bartlett

Gaza, Palestina, 1/4/2013, (IPS) - "Uma arca é uma grande embarcação projetada para manter seguros seus passageiros e sua carga", mas neste caso se trata de uma embarcação "que traz aos palestinos esperanças de poderem viver em paz em Gaza, sem a ameaça do bloqueio israelense".


Crédito: Emad Badwan/IPS
O bloqueio israelense ameaça destruir completamente a pesca artesanal de Gaza.
Assim explicaram representantes da iniciativa Arca de Gaza, impulsionada por ativistas palestinos e estrangeiros, que pretendem reparar um barco com o qual romper o bloqueio que Israel exerce sobre o porto de Gaza.

A iniciativa implica "a compra de um barco deteriorado de uma família pesqueira local", preparado para transportar artigos locais para vendê-los a compradores internacionais no mar Mediterrâneo, explicou Michael Coleman, membro da organização Free Gaza Australia e integrante do comitê diretor da Arca de Gaza.

"A restauração será feita por palestinos no porto de Gaza, e a navegação estará a cargo de uma tripulação mista com palestinos e estrangeiros", disse David Heap, porta-voz da Arca de Gaza no Canadá e na Europa. A data de partida ainda não foi anunciada.

Apontando como exemplo um barco ancorado no porto de Gaza com um cartaz dizendo "Vende-se", Mahfouz Kabariti, presidente da Associação de Pesca e Marinha de Gaza, se referiu à pobreza que sofrem muitos pescadores artesanais palestinos. "Por que vendê-los?", pergunta. "Devido a anos de magra renda devido às restrições israelenses no mar, muitos pescadores têm dívidas que não podem pagar", respondeu.

A Arca de Gaza pretende exportar uma quantidade simbólica de produtos elaborados por artesões palestinos. o barco levará artesanato da sociedade Aftaluna para Crianças Surdas e de outras associações de Gaza. O comitê diretor da Arca de Gaza está integrado em sua maior parte por acadêmicos, médicos e ativistas palestinos pelos direitos humanos.

A iniciativa também conta com apoio de personalidades internacionais como o arcebispo anglicano sul-africano Desmond Tutu, prêmio Nobel da Paz; Hedy Epstein e Suzanne Weiss, ambas sobreviventes do Holocausto; vários parlamentares e ex-parlamentares canadenses e britânicos e ex-altos funcionários da Organização das Nações Unidas (ONU). desde 2008, barcos de solidariedade tentam romper o bloqueio israelense sobre o porto de Gaza.

As tentativas feitas por embarcações da organização Free Gaza em 2008 e 2009 foram seguidas pela Frota da Liberdade em 2010, abordada pela marinha israelense. Nesse violento incidente em águas internacionais morreram nove ativistas e mais de 50 ficaram feridos. O restante das mais de 600 pessoas que participavam da frota foi levado para Israel ou deportadas para seus respectivos países.

Aquele "foi um ato completamente ilegal. Israel não tinha o direito de abordar o barco. Israel tem uma longa história de resistir com violência e sabotagem ações diretas pacificas", disse Coleman.

"A Arca de Gaza é a evolução do movimento de flotilhas. Já não navegamos para Gaza com ajuda", explicou Coleman. "Agora nos focamos em navegar e levar comércio para fora, porque está muito claro que se os palestinos puderem comercializar sua dependência da ajuda diminuirá de maneira significante", acrescentou.

O site da Arca de Gaza tem como slogan "Comércio, não ajuda". A assistência internacional "não atende a causa das necessidades dos palestinos de Gaza: o bloqueio israelense", diz o site. "Acreditamos que a ajuda fornece uma cobertura para as ações do governo israelense contra o povo de Gaza, aliviando a consciência das potências internacionais e deixando o bloqueio em vigência", acrescenta.

A iniciativa pretende "desafiar o bloqueio de Gaza desde dentro". Segundo o site, "ao adquirirem exportações palestinas de Gaza os compradores de todo o mundo poderão levar a tão necessária atenção pública ao bloqueio, já que estarão apoiando empresários de Gaza".

O cerco a Gaza, aplicado por Israel pouco depois que o Hamás (Movimento de Resistência Islâmica) venceu as eleições do território palestino em 2006, se tornou mais severo em 2007, quando praticamente todas as exportações locais foram proibidas e as importações drasticamente limitadas.

O Centro Al Mezan para os Direitos Humanos assegurou que "é comum a marinha israelense abrir fogo contra os pescadores, persegui-los em águas de Gaza e destruir ou confiscar seus equipamentos, incluindo redes e barcos". Acrescentou que "esses atos constituem flagrantes violações das obrigações legais de Israel com potência ocupante segundo o direito internacional, e violam os direitos dos pescadores de viverem e trabalharem". Os pescadores de Gaza antes eram mais de 10 mil, mas devido ao bloqueio e aos ataques a vasta maioria optou por abandonar o ofício que herdaram de seus pais e avós.

Com o bloqueio, Israel também estabeleceu zonas proibidas no mar de Gaza, embora os Acordos de Oslo reconheçam o direito dos palestinos pescarem até a 20 milhas náuticas da costa.

Desde 2008 Israel estabeleceu unilateralmente um limite que varia de seis a três milhas. Mas pescadores e grupos de direitos humanos denunciam que a marinha de Israel tem assediado e disparado contra palestinos que pescam inclusive a apenas uma milha da costa de Gaza. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
 Las trabas contra el desarrollo están en el sistema internacional
 Equidad de género para mujeres y hombres por igual
 Los sijs, víctimas de persecución religiosa en Pakistán
MÁS >>