África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Canadá abandonará a Convenção Contra a Desertificação
Stephen Leahy

Uxbridge, Canadá, 1/4/2013, (IPS) - O Canadá abandonará no próximo ano a Convenção das Nações Unidas de Luta Contra a Desertificação (CNULD), se convertendo no primeiro país a dar esse passo, informou no dia 28 o governo do primeiro-ministro Stephen Harper.

A decisão foi tomada em uma reunião a portas fechadas, por recomendação do ministro das Relações Exteriores, John Baird, mas ainda não foi enviada notificação oficial à Convenção. Ottawa argumenta burocracia e falta de eficácia da CNULD, à qual aderiu em 1994 e ratificou no ano seguinte.

Esta decisão agrava a preocupação da sociedade civil depois que o governo decidiu, também na semana passada, mudar a agência oficial de ajuda ao desenvolvimento, Cida, para a órbita do Ministério de Assuntos Exteriores e Comércio Internacional. Isto foi muito criticado por ativistas, para os quais Ottawa vincula, dessa forma, a ajuda ao comércio exterior.

A desertificação e a degradação da terra constituem um enorme problema que se agrava com a mudança climática, alertou Robert Fox, da Oxfam Canadá. "Estou abatido por essa atitude do Canadá", declarou à IPS. Anualmente, 12 milhões de hectares de terra, onde seria possível cultivar 20 milhões de toneladas de grãos, são perdidos devido à desertificação. A degradação da terra é a pior crise silenciosa mundial, pois prejudica a produção de alimentos, aumenta a escassez de água, empobrece centenas de milhões de pessoas e afeta dois bilhões no total.

"Nossa meta é construir um mundo sem degradação de terras", disse à IPS o secretário-executivo da CNULD, Luc Gnacadja. A Convenção pretende atingir esse objetivo em 2030. O Canadá entregava US$ 350 mil anuais à CNULD, disse à IPS a Secretaria da Convenção. Os compromissos do Canadá com a Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática e com o Convênio sobre a Diversidade Biológica não serão afetados em absoluto, assegurou Amy Mills, da Cida, por email enviado à IPS.

"Queremos usar os recursos da forma mais efetiva possível. O Canadá continuará desempenhando um papel de liderança, promovendo a agenda de segurança alimentar e nutrição. Por exemplo, ajudamos quase quatro milhões de famílias agrícolas em toda África a obter sementes mais resistentes à seca", ressaltou Mills. "No passado, o Canadá se esforçou várias vezes para posicionar a Convenção Contra Desertificação como um meio significativo para promover as prioridades globais e canadenses para melhorar a segurança alimentar e combater a degradação de terras", destacou Mills. Mas, agora, "acreditamos que outros esforços podem conseguir melhores resultados", acrescentou.

No ano passado, o governo de Harper gastou US$ 28 milhões para comemorar o aniversário da Guerra de 1812, um conflito bélico menor que colocou frente a frente este país e os Estados Unidos. "O Canadá fazer isto (deixar a CNULD) é realmente um escândalo", disse Christoph Bals, diretor de políticas da organização não governamental alemã Germanwatch, dedicada a temas de desenvolvimento e equidade global. O Canadá foi por muito tempo líder e defensor do multilateralismo e da Organização das Nações Unidas (ONU), que são a única via para tratar temas como pobreza, fome e mudança climática, disse à IPS de seu escritório em Berlim.

Em 2011, o governo de Harper também se retirou do Protocolo de Kyoto, único instrumento internacional contra a mudança climática. "Ouvi de muitos canadenses que estão envergonhados pela decisão de abandonar o Protocolo de Kyoto", disse Bals. "Na minha opinião, essa decisão e a relacionada à CNULD não refletem o desejo da maioria dos canadenses", afirmou. Por outro lado, refletem os interesses da indústria de combustíveis fósseis, acrescentou Bals.

A retirada do Canadá da Convenção poderia ter grandes consequências no longo prazo, alertou Bals. O Canadá é um país rico, mas outras nações com dificuldades econômicas poderiam seguir seu exemplo e também deixar a CNULD. "Envia um sinal negativo. Haverá consequências para pessoas em muitas partes do mundo", pontuou. Para Fox, a governança global é fraca e precisa de apoio, não de abandono. "Na ONU surgem dificuldades para fazer as coisas, mas a solução não é se retirar", afirmou.

O Canadá acaba de comprometer US$ 250 milhões anuais para o novo Convênio sobre Ajuda Alimentar da ONU. Também tem sido generoso em ajudar nos casos de fome como a que afeta o Chifre da África. Paradoxalmente, o governo de Harper rechaça a Convenção, cujo objetivo principal é prevenir e reduzir a fome e os impactos da seca. Com esta decisão, Ottawa está dizendo que não se interessa em prevenir ou solucionar o problema, disse Fox. "Espero que haja suficiente pressão local e internacional para que o governo reconsidere isto", ressaltou. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Cultura de Cuba ya no es para cualquier bolsillo
 ONU niega que esté actuando con desidia en disputa EEUU-Irán por visa
 Sospechosos de terrorismo ante aterrador sistema judicial de EEUU
 Gobierno de Sudán del Sur aprieta la mordaza
 Ruanda se atreve a tener dulces sueños, y con sabor a helado
MÁS >>