África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Inovação para um desenvolvimento sustentável
Gustavo Capdevila

Genebra, Suíça, 15/4/2013 , (IPS) - A inovação, como fruto da ciência e da tecnologia, desempenhará um papel primordial nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que se espera entrarão em vigor em 2015, afirmou Néstor Osorio, presidente do Conselho Econômico e Social da Organização das Nações Unidas (ONU).

Néstor Osorio: “Os jovens estão, e sempre estiveram, na origem das maiores inovações”.
A Assembleia Geral da ONU receberá em sua próxima sessão, a partir de setembro, o primeiro rascunho dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que está sendo elaborado com contribuições de Estados, cientistas e organizações sociais.

Da preparação do projeto participa também um órgão estratégico das Nações Unidas que é o seu Conselho Econômico e Social (Ecosoc), que discutirá a questão em sua avaliação ministerial anual, a ser realizada em julho em Genebra. Os ODS substituirão, se forem aprovados, os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), estabelecidos em 2000 em Nova York e com prazo de cumprimento até 2015.

Tomando como referência os indicadores de 1990, os governos se comprometeram a reduzir a indigência e a fome, a mortalidade infantil e materna, combater enfermidades como a tuberculose e outras, universalizar o ensino, promover a igualdade de sexos e o empoderamento da mulher, garantir a sustentabilidade do meio ambiente e fomentar uma aliança mundial para o desenvolvimento.

Osorio, representante permanente da Colômbia nas Nações Unidas, explicou alguns aspectos em exame na entrevista concedida à IPS durante uma visita a Genebra na semana passada.

IPS: O senhor entende que a inovação deve ser um dos objetivos para este milênio?

NÉSTOR OSORIO: Creio que é parte transversal de muitos dos objetivos que entrarão em um período complementar a partir de 2015. Estamos falando dos ODS, isto é, como fazer algo além dos ODM e integrar países industrializados e em desenvolvimento no cumprimento permanente e irreversível de metas fundamentais para a sustentabilidade integral.

IPS: Em outras palavras...

NO: Estamos falando de conservação de águas, de cidades mais visíveis, da segurança alimentar, da infraestrutura e do controle da emissão de gases contaminantes. É preciso descarbonizar o planeta. E tudo isto faz parte da inovação.

IPS: Quais seriam os atores desta tarefa?

NO: Quem pode participar de uma forma muito eficiente, como temos visto, é a juventude. Os jovens estão e sempre estiveram na origem das maiores inovações. Microsoft, Facebook e outras, foram criadas, inovadas, por rapazes de 20 a 25 anos. Então aqui há um vínculo muito importante: como a inovação e a conexão e preparação de trabalhos do futuro seguem juntas. E se estamos falando de igualdade de gênero, estamos falando do mesmo, ou seja, é um tema transversal em geral.

IPS: Como os países em desenvolvimento poderiam fomentar a inovação?

NO: Creio que com um compromisso fundamental dos governos, que se traduza em destinações orçamentárias. Também é fundamental a associação entre governo e setor privado em todo este processo. Vou citar um exemplo do que fizemos na Colômbia: a política do presidente Juan Manuel Santos era a de destinar - foi aprovada uma lei nesse sentido - uma porção do lucro do petróleo e da mineração ao Instituto de Ciências e Tecnologia.

IPS: E com relação ao setor privado?

NO: A empresa vai descobrindo quais as suas necessidades e como tem que se adaptar às exigências da sustentabilidade. Não pode haver investimento em projetos que utilizem grande quantidade de água, porque é um desperdício. As companhias precisam se adaptar às exigências que o mundo vai apresentando.

IPS: E quanto ao Estado?

NO: O setor público deve ter consciência da importância que a ciência, a tecnologia, a cultura e o que vem atrás em termos de inovação pode significar para todo o desenvolvimento da sociedade. Para melhorar sua infraestrutura, suas cidades, seu transporte, para fazer com que o homem e a mulher tenham maior bem-estar. Por isso é muito importante que se traduza em instrumentos jurídicos, em destinações orçamentárias e em planos de governo.

IPS: O que se pode esperar das sessões do Ecosoc em julho próximo?

NO: O debate no Segmento de Alto Nível, como se denomina, será a culminação da reunião ministerial. Assim, ciência, tecnologia e cultura são os temas do ano para o Ecosoc. Além disso, se tratará da questão financeira. A situação econômica do mundo industrializado é muito séria porque tem consequências, o que chamo de "dano colateral", pois ao diminuir a renda e as condições econômicas desses países há menos dinheiro para o financiamento do desenvolvimento e menor propensão à transferência de tecnologia. Espero que das sessões de julho saiam algumas recomendações políticas muito concretas.

IPS: Qual é o clima que antecede o encontro?

NO: Acabo de passar duas semanas na Tanzânia com todos os ministros africanos e vejo com surpresa que há uma consciência e um interesse real em dar à ciência e à tecnologia um lugar predominante nas prioridades dos governos.

IPS: Tem um panorama da inovação nos países em desenvolvimento?

NO: No setor agrícola se fez grandes avanços para aumentar a produtividade e lutar contra pestes e pragas. Isto já é comum no café, cacau e nos cereais. A pesquisa na Índia para aumentar a produtividade de grãos e garantir a segurança alimentar tem sido extraordinária. No Brasil, as novas tecnologias de cultivo de café, com plantações de cem hectares com irrigação e fertilização permanente, multiplicaram por 30 ou 40 vezes a produtividade.

IPS: E quanto a inovações com efeitos ambientais?

NO: Também, sobretudo em diferentes áreas da agricultura, com melhoramento de condições rurais. Por exemplo, uma inovação concreta é aproveitar uma pequena queda de água para produzir energia. Vi como são idealizadas pequenas turbinas que conseguem utilizar uma queda d'água de apenas um metro para iluminar a casa de um camponês. Não é astronáutica nem a ciência do Cern (a organização europeia de pesquisa nuclear), mas coisas simples. Trata-se de idealizar máquinas que não desperdicem água. Por exemplo, na Colômbia foi desenvolvida uma tiradora de polpa de café que pega o fruto central e o trata com o uso de uma quantidade mínima de água, que depois é reciclada e não contaminante. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ley venezolana contra discriminación a portadores de VIH
 Los niños de Iraq sufren la peor parte de la guerra
 Nicaragua apuesta su progreso al sueño de canal interoceánico
 Chile impulsa energía termosolar con primera planta regional
 Indígenas del Pacífico necesitan fondos para luchar contra VIH/sida
MÁS >>