África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

A cultura é o novo cenário de resistência tunisiana
Giuliana Sgrena

Túnis, Tunísia, 18/4/2013, (IPS) - De um lado aparece Ela, uma jovem tunisiana vestida de negro dos pés à cabeça, de outro um grupo de estudantes com trajes típicos e a bandeira nacional nos ombros dançando Harlem Shake, a dança procedente dos Estados Unidos que se tornou viral nos últimos meses.


Crédito: Lassad Ben Achour/IPS
Um chamado à liberdade na Tunísia.
Todos representam a batalha cultural que acontece na Tunísia.

A jovem, de quem se vê apenas os olhos sob o niqab, protestou sem sucesso durante cinco meses contra a proibição de usar essa tradicional vestimenta islâmica na universidade. Ela representa o desejo dos conservadores e ultrarreligiosos salafistas de conformidade, enquanto os "bailarinos manifestantes", usando chilaba (túnica com capuz) e kufiyya (lenço), simbolizam a nova geração nascida após a revolta de 2011.

Uma mescla de gente diversa e colorida que afirma que a cultura se tornou a nova frente de luta em defesa da democracia na Tunísia pós-revolucionária. Os defensores da laicidade afirmam que o crescimento do islamismo após o fim do regime de Zine el Abidine Ben Ali, em janeiro de 2011, representa uma erosão dos êxitos obtidos após a revolta popular que o tirou do poder.

O rapper conhecido como Weld The 15 foi condenado, há pouco tempo, a dois anos de prisão por sua música Bulicia Kleb (Os Policiais São Cães), que recebeu 650 mil visitas no site de vídeos YouTube. A atriz principal e o diretor do curta foram condenados a seis meses. "A polícia costuma usar a lei antidrogas para prender cantores, especialmente rappers, pelo consumo de maconha", disse à IPS o jovem cineasta Adnen Meddeb, que filmou a revolta popular na capital.

Ussama Buajila e Chahine Berriche, dois artistas de rua do grupo Zwelwa (Os Pobres), foram detidos no dia 3 de novembro de 2012 por grafitarem paredes na cidade industrial de Gabes. O grafite leva o título de "As pessoas querem direitos para os pobres". A sentença foi dada no dia 10 deste mês, e cada um foi condenado a pagar multa de US$ 50 por "grafitar em propriedade estatal" e limpar as paredes. Zwelwa denunciou o processo por considerá-lo um "julgamento político que nos recorda os métodos do regime de Ben Ali".

O Ministério do Interior se tornou um dos lugares preferidos para expressar a resistência e onde, todas as quartas-feiras, um grupo de ativistas protesta pela morte de Chokri Belaïd, líder da opositora coalizão esquerdista Frente Popular, assassinado em 6 de fevereiro. "Toda quarta-feira nos sentamos aqui para pressionar o Ministério a responder a pergunta 'quem matou Belaïd'", disse à IPS o pintor Amor Ghadamsi, secretário-geral do Sindicato de Artistas Tunisianos.

O assassinato de Belaïd foi "o incidente mais grave em um clima de crescente violência, e sacudiu o país", pontuou Ghadamsi. "Antes disso, as pessoas não se davam conta do alcance do problema que enfrentávamos. Agora queremos que as autoridades tunisianas investiguem e encontrem os responsáveis", destacou.

O grupo realizou a manifestação desta semana em protesto pela destruição por um grupo de salafistas de uma estátua que haviam feito em homenagem a Belaïd e colocado do lado de fora da casa do líder assassinado. "A cultura é nosso meio de resistência agora", indicou Ghadamsi, em relação ao amplo uso de grafite e a proliferação do rap politizado com letras sobre a revolução.

A decisão de protestar diante de prédios públicos simboliza a crescente desconfiança com o governante partido islâmico Ennahda, que venceu as primeiras eleições neste país após o fim do regime de Ben Ali, em outubro de 2011, com uma plataforma secular. Mas sua administração é criticada por permitir que grupos religiosos extremistas operem impunimente.

Uma das organizações extremistas é a Liga para a Proteção da Revolução (LPR), à qual são atribuídos fortes vínculos com o governo, e que teve vários enfrentamentos com a oposição e membros da União Geral Tunisiana do Trabalho (UGTT), o principal sindicato do país. Membros da LPR assumiram o golpe mortal sofrido por Lotfi Nakbu, líder do partido Nidaa Tunes, na cidade de Tataouine, em outubro de 2012, e também a destruição da estátua de Balaïd.

"Essa gente age em nome do Ennahad e seu pessoal, ex-presos contratados pelo Ennahda, que comprou suas consciências", afirmou Jilani Hammami, porta-voz do Partido dos Trabalhadores, em uma entrevista feita no mês de janeiro pelo Tunísia Livre. O governo nega as acusações, mas muitos criticam que a LPR nunca foi processada por seus crimes. A UGT por várias vezes pediu sua dissolução, sem êxito. Diante da atitude das autoridades, muitos cidadãos consideram que não há outra opção a não ser realizar protestos criativos e não violentos.

Sua férrea aliada durante a revolta popular, a internet, ressurgiu como uma ferramenta crucial nesta guerra cultural, cujo começo ativistas situam em 25 de março de 2012, quando um grupo de salafistas atacou artistas que comemoravam o Dia Mundial do Teatro, na avenida Burguiba, centro de Túnis. Testemunhas disseram à IPS que a polícia assistiu a tudo.

Danças como Harlem Shake, originada nos Estados Unidos na década de 1980 e revivida nos últimos tempos, entre outros vídeos, se tornaram virais e, inclusive, às vezes, atraíram a atenção dos meios de comunicação de massa. Jovens tunisianos ocuparam em várias oportunidades a avenida Burguiba para comemorar os enfrentamentos desatados pela atual resistência cultural, interrompendo o trânsito sentando no meio da rua lendo livros, em uma atitude de desafio às forças de segurança.

Com o mesmo espírito, um grupo chamado Solução Artística criou o movimento Dançarei, Apesar de Tudo. Dirigidos por Bahri ben Yahmed, os dançarinos atuam em todos os espaços públicos possíveis: diante do teatro nacional, nos jardins de Belvedere, na Praça Kasbah, e também em bairros pobres da periferia. Frequentemente, espectadores e transeuntes se unem aos bailarinos criando um tipo de protesto espontâneo que se viu no início da revolta popular. "Dançar não é apenas um protesto não violento, o corpo em si mesmo é uma expressão de libertação e bem-estar", opinou a escritora Jamila Ben Mustafa. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 América Latina con el desarrollo humano a medio hacer
 Ãfrica necesita protección social para su desarrollo humano
 El Sur solo recibe las migajas del comercio mundial
 Aumento del nivel del mar ahoga el turismo en Camerún
 Asia al filo de la navaja, asegura Informe sobre Desarrollo Humano
MÁS >>