África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Meninas sul-sudanesas dadas em casamento em troca de vacas
Charlton Doki

Juba, Sudão do Sul, 28/5/2013 , (IPS) - "Nossas filhas são nossa única fonte de riqueza. Onde mais se pode conseguir vacas?", perguntou Jacob Deng, de 60 anos, originário do Estado sul-sudanês de Yonglei.


Crédito: Jared Ferrie/IPS
Mulheres da etnia murle. A prática do matrimônio infantil tem apoio em muitas comunidades sul-sudanesas.
Essa opinião é compartilhada por muitos habitantes do país. O casamento infantil ainda é apoiado por muitas comunidades do Sudão do Sul, onde as meninas são vistas como uma importante fonte de renda, devido ao dote que a família da noiva recebe.

Segundo o Ministério de Gênero e Assuntos da Infância, 48% das meninas sul-sudanesas com idades entre 15 e 19 anos estão casadas, e algumas contraíram matrimônio quando tinham apenas 12 anos. A Lei de Infância, de 2008, fixa em 18 anos a idade mínima para se casar, e estabelece pena de até sete anos de prisão para quem a viola. Porém, a titular da pasta, Agnes Kwaje Losuba, admitiu que a lei não é cumprida.

O casamento infantil é parte da tradição das comunidades. "Uma vez que uma menina chega à puberdade, já é considerada uma mulher. Então, havendo alguém disposto a pagar muitas vacas (por ela), a darei para casar", afirmou Deng à IPS.

Biel Gatmai, de 50 anos, do Estado do Alto Nilo, contou à IPS que é a favor do casamento precoce por temer que suas filhas engravidem sem estarem casadas, o que é duramente condenado pela cultura local. "É melhor uma menina casar bem cedo do que mantê-la na casa dos pais e correr o risco dela engravidar. Se seu primeiro filho nasce fora do casamento, quem quiser casar com ela pagará umas poucas vacas", explicou.

O Sudão do Sul realiza um processo de revisão da Constituição, que inclui a realização de seminários e painéis em todo o país para coletar contribuições dos cidadãos. Nestas discussões o tema do casamento infantil é frequentemente incluído. O presidente Salva Kiir criou uma Comissão de Revisão Constitucional, no ano passado, para avaliar e melhorar a atual Constituição de transição, adotada em 9 de julho de 2011, dia em que o Sudão do Sul ficou independente. Espera-se que a Comissão apresente um rascunho da nova Constituição em dezembro de 2014.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), as mulheres e as meninas continuam sendo particularmente vulneráveis no Sudão do Sul. Depois de uma guerra civil de 21 anos, elas foram vítimas dos piores abusos quanto aos direitos humanos, incluindo violações e sequestros. Estima-se que cerca de dois milhões de pessoas morreram e outros quatro milhões tiveram que fugir antes que um tratado, em 2005, colocasse um ponto final ao conflito e dividisse o Sudão em dois países.

A Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS) expressou preocupação pela situação das mulheres em meio à violência entre os diferentes grupos étnicos do país, que afeta especialmente os civis. Pelo menos 1.600 pessoas morreram em 2011 em combates entre as etnias murle e lou nuer, segundo a ONU. Em abril, a diretora da UNMISS, Hilde Johnson, disse a jornalistas em Juba que as Nações Unidas estavam comprometidas em fazer respeitar os direitos das mulheres, das crianças e dos idosos, que são "particularmente vulneráveis e precisam de proteção".

Paleki Mathew Obur, diretora da organização local Rede para o Empoderamento das Mulheres do Sudão do Sul, destacou a necessidade de que o tema da idade mínima para casar seja contemplado na nova Constituição. "Várias organizações foram a diferentes Estados e coletaram recomendações para a idade mínima para poder casar. Algumas pessoas dizem que deveria ser 18 anos, outras 25", contou Obur à IPS.

Por sua vez, Angelina Daniel Seeka, da organização End Impunity, explicou à IPS que a principal causa do casamento infantil é o direito consuetudinário. "Os casamentos precoces, a violência de gênero e muitas outras coisas que as mulheres sofrem se devem ao direito consuetudinário. Por isso devemos fazer alguma coisa a respeito. Espero que nos ocorra algo que possa ajudar as mulheres no futuro", acrescentou. Ativistas explicam que, como a lei consuetudinária não é escrita, os chefes locais, na maioria homens, a interpretam segundo seu desejo.

Para Lorna James Elia, chefe da organização de mulheres Voice for Change, a nova Constituição deve definir também o direito consuetudinário. "O que estamos dizendo é que há áreas no direito consuetudinário que são muito boas e podem ser mantidas. Mas que os aspectos que são muito discriminatórios, referentes a homens ou mulheres, devem ser abordados", ressaltou Elia à IPS. No sistema judicial sul-sudanês, o direito consuetudinário, que consiste em muitas leis tradicionais não escritas, é aplicado juntamente com o direito comum. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Militarising the Ebola Crisis
 Iraq Looking for an ‘Independent’ Sunni Defense Minister
 Zero Nuclear Weapons: A Never-Ending Journey Ahead
 Championing Ocean Conservation Or Paying Lip Service to the Seas?
 Washington Snubs Bolivia on Drug Policy Reform, Again
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 El camino sin fin hacia la erradicación de las armas nucleares
 Tratado sobre el comercio de armas entrará en vigor en diciembre
 Hospitales inteligentes contra desastres naturales en el Caribe
 Vivir de la pluma en Afganistán y escribir lo que otros no saben
 Menos hambre en el mundo y el desafío de la prensa
MÁS >>