África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

"Sinto-me indígena em qualquer lugar"
Lucy Westcott

Nações Unidas, 29/5/2013, (IPS) - As vozes dos jovens aborígines se fazem ouvir no décimo-segundo período de sessões do Fórum Permanente para as Questões Indígenas da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece até o dia 31.


Crédito: Cortesia Andrea Landry
“A ideia ocidental de sucesso é diferente da do indígena”, disse Landry.
Uma delas é a de Andrea Landry, de 24 anos. O mundo se torna cada vez mais jovem. A população do planeta superou sete bilhões de habitantes no ano passado, e mais da metade tem em torno de 30 anos, segundo um informe da consultoria Euromonitor International. A maioria dessas pessoas vive no Sul em desenvolvimento.

Landry é originária da comunidade nativa Primeira Nação de Pays Plat, perto de Thunder Bay, no sudeste do Canadá. Na língua ameríndia anishinaabe leva o nome de Mulher com Coração de Águia. Estuda comunicações e justiça social na Universidade de Windsor, e defenderá sua tese em agosto. A IPS conversou com Landry sobre os desafios que os jovens aborígines de todo o mundo enfrentam e sobre a possibilidade de reconectá-los com suas culturas por meio das novas tecnologias.

IPS: Como você se envolveu na defesa dos povos indígenas?

Andrea Landry: Meu pai era militar, assim cresci em diferentes lugares. Fui à escola em Thunder Bay, mas ali não havia muitos estudantes aborígines. A cada duas semanas minha mãe nos levava, eu e minhas irmãs, de regresso à comunidade. Minha mãe também nos levava aos Centros da Amizade (de apoio às comunidades indígenas) para ajudar a nos reconectarmos com nossa história, com nossa cultura, e constantemente nos lembrava quem éramos. Há três anos começou meu trabalho de defesa na Associação Nacional de Centros de Amizade (são 119 no Canadá), onde cheguei a diretora-executiva de juventude. Participo da direção e tenho reuniões com o governo canadense sobre temas relacionados com a juventude indígena. Asseguro que nossas histórias sejam conhecidas em primeira mão, e não por intermédio do governo.

IPS: Acredita que os jovens indígenas que se mudaram para as cidades se sentem desconectados?

AL: Creio que depende da família. Muitas crianças indígenas são levadas para casas de acolhida ou tutela. Ainda assim, é inevitável que se sintam atraídos por sua cultura e história aborígine. É algo que está dentro da gente: eu me sinto indígena não importa aonde esteja. Os Centros de Amizade no Canadá também oferecem oportunidades de se reconectar com a comunidade, conversando com anciãos e aprendendo sua língua. Em Thunder Bay, cidade onde vivi, havia muito racismo em relação aos aborígines, e isso faz você sentir vergonha. Tenho uma mistura de raças, e então perguntava a mim mesma: "Bom, mas o que sou? Sou branca ou morena?", porque as meninas brancas me diziam: "Você é muito morena", e as meninas aborígines me diziam: "Você é muito branca". No Canadá temos a Rede de Televisão de Povos Aborígines, que oferece programas e informação para a população indígena e é administrada por indígenas. Também temos vários veículos de imprensa aborígines, mas não são muito conhecidos. Nos meios de comunicação predominantes há uma carência de representação dos povos indígenas canadenses.

IPS: A internet serve de ferramenta para os jovens indígenas se reconectarem com sua cultura?

AL: Muitos jovens anishinaabe estão aprendendo sua língua por meio de um aplicativo de iPhone. Alguns jovens na comunidade dirão: "Estou aprendendo a língua graças a este aplicativo", e os anciãos dirão: "Deveria ter vindo conversar comigo". As mídias sociais e a internet são boas, mas não à custa de aprender da forma tradicional, de nossos anciãos, pela tradição oral. Agora, aprender com um ancião não parece ser tão importante como deveria.

IPS: Há oportunidades no Canadá para que os jovens indígenas aprendam sobre sua história e sua cultura nas escolas?

AL: O sistema educacional no Canadá não oferece uma oportunidade adequada para o aprendizado das culturas indígenas do país. Durante meu mestrado não encontrei um só artigo dedicado aos povos indígenas ou realizado por acadêmicos indígenas. Disse aos meus professores que é importante incluir a cultura aborígine no diálogo e nas aulas.

IPS: Quais desafios ou problemas enfrentam os jovens indígenas ao redor do mundo?

AL: Sofrem um status socioeconômico baixo, alto desemprego, educação de má qualidade e isolamento. Há muitas comunidades, sobretudo no noroeste do Pacífico, nas quais só é possível chegar por avião, e estão a duas horas e meia de qualquer outro lugar. As populações indígenas também enfrentam problemas de saúde e dificuldades para se adaptar à dieta ocidental. Nossos sistemas não foram desenhados para a comida norte-americana, abundante em gordura. Comíamos urso, alce, e agora comemos no McDonald's e no Burger King. Também temos diferentes percepções sobre o sucesso. A ideia ocidental de sucesso, que é material e financeira, é diferente da minha. Temos sucesso em nossa cultura, em nossa comunidade.

IPS: O que o futuro reserva para os jovens indígenas?

AL: Agora estamos sendo levados a sério, nos permitem falar alto e claro. Estamos sendo reconhecidos em sistemas ocidentais como a Organização das Nações Unidas (ONU), e como jovens estamos tendo prioridade. Depois do meu mestrado, quero continuar defendendo os jovens e os povos indígenas em geral. É realmente minha paixão. Espero que esta geração continue trabalhando por um futuro melhor. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Mubarak Acquitted as Egypt’s Counterrevolution Thrives
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Lo que Estados Unidos debería aprender del colapso de Rusia
 Amnistía Internacional está sola contra la pena de muerte en Pakistán
 España, reflexiones sobre la corrupción y la regeneración política
 Â¿La triple transición de Birmania le permitirá erradicar la pobreza?
 Expertos de la ONU advierten contra cambios en el Banco Mundial
MÁS >>