África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

O mundo perdeu a paz nos últimos cinco anos
Jim Lobe

Washington, Estados Unidos, 13/6/2013, (IPS) - O mundo está menos pacífico hoje do que há cinco anos, segundo a edição 2013 do Índice de Paz Mundial (GPI).


Crédito: Ashfaq Yusufzai/IPS
O Paquistão foi um dos países mais violentos.
O estudo feito pelo Instituto para a Economia e a Paz também concluiu que, no ano passado, a situação se deteriorou sobretudo devido à intensificação do conflito na Síria, ao crescente número de homicídios, particularmente no México, na América Central e na África subsaariana, e ao aumento do gasto militar em muitos países.

Liderada por Islândia, Dinamarca e Áustria, a Europa continuou sendo em 2012 a região mais pacífica do mundo, enquanto a Ásia meridional foi a menos pacífica, afetada em particular pelo Afeganistão, país que ficou em último lugar entre os 162 estudados pelo GPI, e pelo Paquistão, em 157º lugar. As nações do Oriente Médio também ficaram no fim da lista, devido ao conflito na Síria (160º lugar), à violência sectária no Iraque (159º), ao contínuo conflito no Iêmen (152º) e à guerra de Israel (150º) contra o Hamás (Movimento de Resistência Islâmica) e seu aumento com o gasto militar.

O GPI deste ano, divulgado no dia 11, também indica que o impacto da violência na economia internacional (em termos de orçamentos de defesa e segurança interna) foi de US$ 9,5 trilhões em 2012. Esse valor equivale a 11% do produto interno bruto ( PIB) mundial, quase o dobro da produção total de alimentos do planeta. "Se o mundo reduzisse seu gasto com violência em aproximadamente 50%, seria possível pagar a dívida do Sul em desenvolvimento, fornecer dinheiro suficiente para a estabilidade europeia e financiar a quantia extra necessária para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio", afirma o estudo.

O informe também descobriu uma correlação entre o impacto da crise financeira mundial de 2008 e a perda de paz. "Os cortes nos serviços públicos e nas proteções sociais, somados a um crescente desemprego, levaram ao aumento das manifestações violentas, dos crimes violentos e da percepção da criminalidade em muitos países", segundo o documento de 101 páginas.

O GPI, baseado em 22 indicadores sobre violência ou medo da violência, é compilado por várias universidades e instituições que mantêm avaliações e estatísticas relevantes, que vão desde a Economist Intelligence Unit (EIU) e o Banco Mundial, até o Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo e a Anistia Internacional. São considerados indicadores relevantes à paz interna, o número de homicídios e de oficiais de segurança e policiais para cada cem mil habitantes, bem como o nível de instabilidade política e de atividade terrorista calculado pela EIU.

Também são consideradas variáveis de paz exterior, como o tamanho do orçamento militar do país, o número de militares para cada cem mil habitantes, suas transferências de armas e a quantidade de conflitos externos nos quais esse Estado se envolve. Os dez países mais pacíficos no último ano foram Islândia, Dinamarca, Áustria, Nova Zelândia, Suíça, Japão, Finlândia, Canadá, Suécia e Bélgica. Os menos pacíficos foram Afeganistão, Somália, Síria, Iraque, Sudão, Paquistão, República Democrática do Congo, Rússia, Coreia do Norte e República Centro-Africana. Os Estados Unidos ficaram em 99º lugar, logo à frente da China na 100ª posição.

A grande disparidade entre Estados Unidos e Canadá, os dois vizinhos da América do Norte, se explica pela alta taxa de encarceramentos do primeiro país, suas grandes e ativas forças armadas, seu envolvimento em conflitos externos, sua alta taxa de homicídios e a facilidade de sua população no acesso a armas pequenas. Embora o orçamento norte-americano em defesa tenha baixado significativamente, continua sendo maior do que pelo menos uma dezena das outras principais potências militares do mundo.

Nova Zelândia (3º) e Japão (6º) foram os países da região da Ásia Pacífico melhor situados no GPI, enquanto a Coreia do Norte (154º) foi o pior. Pyongyang tem a maior taxa de encarceramento, e de longe a maior proporção de gasto militar em relação ao seu PIB. Na América Latina e no Caribe, os países com melhor colocação foram Uruguai (24º), Chile (31º) e Costa Rica (40º), enquanto os piores colocados foram Honduras (123º), Venezuela (128º), México (133º) e Colômbia (147º).

Os países mais pacíficos da África subsaariana foram Maurício (21º), Botswana (32º) e Namíbia (46º). As maiores potências econômicas do continente, África do Sul e Nigéria, ficaram nas colocações 121 e 148, respectivamente. Os maiores progressos no último ano foram registrados na Líbia (145º), no Sudão (158º), Chade (138º), Cazaquistão (78º) e na Índia (141º), enquanto os maiores retrocessos aconteceram em Ucrânia (111º), Peru (113º), Burkina Faso (87º), Costa do Marfim (151º) e Síria (160º).

O estudo constatou que, desde 2008, 48 países ficaram mais pacíficos, enquanto 110 foram na direção oposta. Em nível regional, a maior deterioração aconteceu nas antigas repúblicas soviéticas e também no Oriente Médio e norte da África, particularmente nos últimos três anos, com a chegada da Primavera Árabe. Envolverde/IPS

* O blog de Jim Lobe sobre política externa dos Estados Unidos pode ser lido aqui. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Uruguay no es “pirata” por legalizar la marihuana
 Anfitrión de la ONU cierra con llave cuando quiere
 COLUMNA: García Márquez, el genio del país de la guerra sin fin
 COLUMNA: El futuro de nuestro planeta depende de 58 personas
 Las dos caras de las elecciones afganas
MÁS >>