África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

"A liberdade de expressão é um direito coletivo"
Daniela Pastrana

Cidade do México, México, 13/6/2013, (IPS) - "É preciso entender que a informação, acima de qualquer coisa, é um serviço social.


Crédito: Nações Unidas
Frank La Rue: “As rádios comunitárias devem ter os mesmos direitos que as comerciais”.
Se perdemos essa dimensão, começamos a fazer as regulações em função de seu caráter mercantil e o Estado tem muitas outras obrigações, como garantir a liberdade", afirmou Frank La Rue.

"Na América Latina cometemos um erro histórico ao permitir que prevaleça a versão comercial da informação", acrescentou La Rue, relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Liberdade de Opinião e Expressão.

Em entrevista à IPS este especialista guatemalteco disse que "a liberdade de expressão deve ser entendida como um direito coletivo da sociedade de estar informada, associar-se e se expressar, mas também como um direito dos povos de ter uma cultura, idioma, valores e difundi-los ao mundo com meios próprios de comunicação". Também se referiu aos outros desafios que a liberdade de expressão enfrenta na região.

Um deles são as chamadas "leis de censura" que punem, por exemplo, a difamação de funcionários públicos e que inibem a possibilidade de haver críticas aos que estão no poder, ou a sanção penal ao uso não autorizado de frequências de rádio. Outro, "muito importante", é o caso das leis de telecomunicações que estão em discussão em países como Honduras e México.

IPS: Quais condições básicas devem cumprir as novas leis de telecomunicações?

FRANK LA RUE: Parte da liberdade de expressão é defender a diversidade cultural. Tenho afirmado que deve haver quatro categorias de meios de comunicação com o uso de frequências eletromagnéticas. Uma, são as rádios comerciais, que devem ser reguladas por uma norma de concessão; as comunitárias, que devem ter os mesmos direitos das primeiras sem importar se são de baixa potência e de curto alcance; uma terceira para os grupos étnicos claramente identificáveis; e, finalmente, a telecomunicação pública, que é do Estado, não do governo da vez. Neste último caso, não se trata de meios controlados por quem tem o poder político, mas do uso de recursos públicos para um meio público. E deve haver uma recuperação do público. Isso se perdeu na América Latina, ao contrário da Europa, onde há vários países nos quais se mantém a visão do público. Mas as frequências são um bem público, existem no ambiente, e o Estado é que regula como são administradas para benefício de todos, da mesma forma que outros recursos naturais.

IPS: É necessário dividir o espectro em partes iguais?

FLR: O Estado não precisa de um terço das frequências, como na Argentina. Não teria a capacidade administrativa nem os recursos para fazê-lo. O que se deve fazer é uma reserva para frequências comunitárias. Existe um princípio em direitos humanos, de diversidade de meios e pluralismo de posições: acima do direito individual do jornalista está o direito humano da sociedade de estar informada. A ideia é que as pessoas de uma localidade possam construir um pensamento próprio. Nesse sentido, a concentração de meios de comunicação é um atentado contra a democracia, não apenas contra os direitos humanos. Onde está o truque? Nos mecanismos de concessão. O leilão não é o mecanismo idôneo, porque privilegia o poder econômico. Deve haver concursos públicos e transparentes, com regras claras.

IPS: Que tipo de regras?

FLR: As frequências, como são um bem do Estado, não são presente nem concessão vitalícia. Por isso devem ser entregues por um tempo determinado. Há uma característica básica: frequência que não é usada no momento da concessão deve perder o direito, porque haverá gente que as acumulará sem usá-las, mantendo-as apenas para evitar a competição. Então, devem ser criadas normas que regulem como se pode perder a concessão, e deve haver um limite de quantas frequências uma pessoa pode ter, porque o acúmulo indevido leva ao manejo da opinião pública e isso não é correto.

IPS: Isso nos leva a outro tema, que se discute no México, por exemplo, sobre mecanismos de financiamento, porque se entende que só os veículos comerciais podem ter acesso à publicidade.

FLR: Uma entidade não lucrativa não significa que não cobre, mas sim que não lucra com isso, não se beneficia com o usufruto das vendas. O Estado deve ter uma regulamentação de distribuição da publicidade oficial, com critérios claros. E colocar ordem, sem criminalizar as rádios comunitárias. Ter uma emissora fora das normas legais não pode ser um crime, porque, além do mais, se alguém revisar a origem dos grandes consórcios, tampouco houve processos legítimos de entrega de concessões. Todas foram entregues por governos ditatoriais ou corruptos.

IPS: Em Honduras se criou muita controvérsia com a inclusão de regulação de conteúdos no projeto de lei de telecomunicações...

FLR: O Estado não deve se meter nos conteúdos em nenhum caso. Há limitações legítimas à liberdade de expressão, baseadas em normas e princípios de direitos humanos, mas eu deixaria apenas um aspecto de conteúdo, que é a regulamentação de horário para proteger a infância. Deve-se prevenir que meninos e meninas, e adolescentes, presenciem cenas de violência direta e de atos sexuais, não de sexualidade, mas de atos sexuais e de pornografia ou do uso mal intencionado da sexualidade. Nada mais. Na liberdade de expressão, a norma que prevalece é a abertura e a amplitude. As limitações são a exceção e não devem ser generalizadas em demasia, porque é aí que se cai na censura. E sempre existe a tentação, na hora de legislar, de cada um querer impor sua opinião.

IPS: E a internet?

FLR: Menos. Internet é um espaço aberto no qual todos cabem. Por sua natureza, está fora das possibilidades de regulação, que não seja o monitoramento, mas isso atenta contra a privacidade. É um tema de autorregulamentação. Há um novo desafio de profissionalismo e de ética que cabe à própria imprensa defini-lo. Não é o Estado que deve defini-lo, mas os próprios jornalistas e meios de comunicação. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Giro radical de Europa frente a los conflictos en Siria e Iraq
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
 Las razones por las que Kazajstán desmanteló su arsenal nuclear
 VIH/sida llama a revisar desventajas sociales en Cuba
 Las mujeres, pilar en la lucha social de la Patagonia chilena
MÁS >>