África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Para uma zona de livre comércio entre África do Sul e Nigéria
John Fraser

Johannesburgo, África do Sul,, 18/6/2013, (IPS) - A negociação de uma zona de livre comércio entre as duas maiores economias africanas, Nigéria e África do Sul, caso exista, teria um efeito poderoso nos intercâmbios no sul do continente e obrigaria outros países a agirem.


Crédito: Sam Olukoya/IPS
Ajegunte, um assentamento precário de Lagos, na Nigéria.
"Traria benefícios econômicos substanciais para os dois lados em termos de exportações, investimentos, melhor competição e de produtividade", disse à IPS o pesquisador Peter Draper, do Instituto de Assuntos Internacionais da África do Sul. Os dois países começaram um acordo de cooperação informal.

Por ocasião da visita do presidente nigeriano, Goodluck Jonathan à África do Sul, em maio, o ministro da Indústria e Comércio sul-africano, Rob Davies, anunciou o compromisso de seu país em ajudar a Nigéria, a nação mais povoada da África, a converter o setor automobilístico em um ramo emblemático. Contudo, para alguns especialistas, preocupa que uma zona de livre comércio beneficie apenas os sul-africanos, que têm um setor manufatureiro desenvolvido, à custa da Nigéria, menos industrializada.

"Isso não significa que a África do Sul não esteja disposta, mas sim sugerir que, havendo vontade política por trás dessa ideia, seria favorável a um acordo comercial limitado e não a um exaustivo", pontuou Draper. O empresário R. J. van Spaandonk, residente em Johannesburgo, tem licença para importar computadores Apple, telefones, tablets e outros produtos para os dois países. Ele disse à IPS que uma área de livre comércio é um sinal muito positivo, pois os dois governos parecem se aproximar cada vez mais.

"Entretanto, na prática, os benefícios podem ser limitados. Muitas empresas sul-africanas operam na Nigéria por meio de entidades que não são da África do Sul, por isso não está claro se poderiam ser consideradas beneficiárias de uma área de livre comércio", afirmou Spaandonk. "Aplaudiria uma transparência maior no tocante a normas e regulações que são aplicadas, em termos de restrições de importações, certificados de produtos, vistos, etc., e um processamento e uma execução mais rápida. Nas duas partes, provavelmente", afirmou.

Jabu Mabuza, presidente do Business Unity South Africa, disse que existe um grande potencial para que haja relações mais estreitas entre os dois países, mas acrescentou que necessitaria mais tempo para decidir se uma área de livre comércio é o melhor enfoque, ou não. "Pessoalmente, aplaudo a aproximação e o reinício das relações entre os dois países", afirmou, acrescentando que, "se podemos ter relações que sejam social e politicamente proveitosas, devemos fazer tudo o que for preciso".

Por outro lado, Dianna Games, diretora-executiva da consultoria africa@work, disse à IPS acreditar que há suficiente comércio, atual e futuro, entre os dois países para pensar em uma área de livre comércio. Porém, afirmou que é preocupante a falta de intercâmbios comerciais de produtos não petrolíferos entre Nigéria e África do Sul. "O setor manufatureiro na Nigéria ainda está em uma fase incipiente, em parte devido à grave escassez de energia. Esse país é o principal fornecedor de petróleo da África do Sul, quase não existe comércio além do petrolífero", acrescentou.

O Serviço de Impostos da África do Sul informou que, no primeiro trimestre de 2012, as exportações da Nigéria para o mercado sul-africano chegaram a US$ 750 milhões, com US$ 740 milhões compostos de produtos minerais, principalmente petróleo. No mesmo período, as exportações da África do Sul para a Nigéria foram de US$ 150 milhões. "O mercado nigeriano é enorme e está desatendido, por isso qualquer que seja sua capacidade, facilmente é absorvida pelo mercado local, com algum intercâmbio para a região da África ocidental. Não há nada que sugira que a África do Sul será um mercado de escolha para os produtos e serviços nigerianos nos próximos tempos", acrescentou.

O mesmo alerta fez Foluso Phillips, presidente da Phillips Consulting, com sede em Lagos. "A África do Sul tem muito a oferecer à Nigéria, mas houve um problema de atitude e de falta de confiança, bem como objetivos divergentes de ambas as partes", afirmou. "No entanto, deve haver um forte espírito ganhador, pois o registro de acompanhamento e a percepção faz com que tudo pareça favorecer a África do Sul", acrescentou.

Qualquer acordo entre os dois países deve se basear em uma transferência de tecnologia real e de valor para a Nigéria. Phillips insistiu que é preciso se concentrar em levar valor à Nigéria e não em converter seu país em um depósito de produtos sul-africanos se as fronteiras forem abertas às exportações da África do Sul. "A Nigéria não pode continuar financiando importações pagando-as com petróleo, por isso, se a proposição de valor da África do Sul se basear em insumos locais, mas de propriedade conjunta, então haveria um ganhador", acrescentou.

Games observou que existe o reconhecimento da importância mútua dos dois países e para o continente em geral, mas a Nigéria necessitará se convencer dos benefícios para seu mercado. "Tal medida tem consequências positivas no tocante à assistência da África do Sul às companhias nigerianas para que construam escala e capacidade industrial", afirmou.

"A discussão sobre desenvolver vínculos entre África do Sul e Nigéria na indústria automobilística (o que ocorreu durante a visita de Jonathan) é um exemplo de algo que poderia ser replicado em outros setores", pontuou Games. Ela também acredita que, simbolicamente, seria importante destacar um maior grau de cooperação entre os dois países, pois ambos são Estados base na África, tanto econômica quanto politicamente.

"O êxito econômico de cada um é importante não apenas para seus respectivos territórios, mas também para o desenvolvimento maior do continente, e se uma área de livre comércio for aceitável do ponto de vista político, não apenas para os dirigentes mas para outros atores empresariais, ajudaria a cimentar os laços entre os dois países", concluiu Games.

Por sua vez, Draper disse que, se Nigéria e África do Sul convidarem seus vizinhos regionais para as negociações, isso "poderia ter um efeito enorme, ao liberar a competição incorporando a África meridional e ocidental. Dominar isto seria, no mínimo, um desafio", destacou. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
 â€œSonámbulos” deciden la suerte de conferencia climática en Bonn
 Yeil es la palabra de moda en vocabulario energético argentino
 Europa, paralizada por la división entre norte y sur
 El cambio climático desafía la bonanza de Etiopía
MÁS >>