África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

"Sementes nativas são a base da soberania alimentar"
Julio Godoy

Roma, Itália, 21/6/2013, (IPS) - A rede mundial Via Camponesa acaba de declarar a soberania alimentar como um "direito fundamental de todos os povos, nações e Estados controlar seus alimentos e seus sistemas alimentares, e a decidir suas políticas garantindo a cada um alimentos de qualidade, adequados, acessíveis, nutritivos e culturalmente apropriados".


Crédito: Julio Godoy/IPS
Francisca Rodríguez, líder indígena chilena da Via Camponesa.
A decisão foi adotada na sua VI conferência realizada em Jacarta, na Indonésia, entre os dias 9 e 13 deste mês, por esta rede de 150 organizações camponesas, de pequenos agricultores, mulheres rurais, povos indígenas e trabalhadores agrícolas, que representam cerca de 200 milhões de pessoas em 70 países.

Esta soberania depende da recuperação e preservação das sementes nativas, pois são a garantia da riqueza alimentar e da biodiversidade agrícola, disse em entrevista à IPS Francisca "Pancha" Rodríguez, líder da Associação Nacional de Mulheres Rurais e Indígenas do Chile. Ela participa da 38ª conferência bianual da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que acontece esta semana na capital italiana.

A Via Camponesa e outras organizações da sociedade civil colocaram a reivindicação da soberania alimentar no centro de seu diálogo com instituições internacionais como a FAO. Em Jacarta, a Via Camponesa decidiu priorizar a promoção da agroecologia, entendida como "produção de alimentos baseada na agricultura camponesa"; a rejeição à violência e à discriminação contra as mulheres; e a defesa da terra e dos territórios mediante "uma reforma agrária integral, único modo de garantir um futuro para os jovens do campo".

IPS: Por que a defesa das sementes nativas está no centro da reivindicação da soberania alimentar?

FRANCISCA RODRÍGUEZ: As sementes crioulas constituem o pilar fundamental da soberania alimentar, junto à luta contra a agricultura transgênica do oligopólio agroindustrial multinacional. A defesa da soberania alimentar parte de onde parte a cadeia alimentar, e esta começa com as sementes. O roubo de sementes, cometido pelas multinacionais contra os camponeses, faz com que o acesso à terra de nada nos sirva, se vamos ser dependentes desse oligopólio que busca a hegemonia sobre as sementes.

IPS: Como a perda de sementes nativas afeta a biodiversidade agrícola?

FR: As multinacionais da agricultura química têm que eliminar centenas de sementes para patentear apenas uma. Esta eliminação de tantas variedades é um atentado aos camponeses e à humanidade, pois, ao se destruir essas variedades, se reduz a biodiversidade, nos tiram riqueza alimentar e cultural mundial. Além disso, as multinacionais buscam vincular suas sementes a toda cadeia de produção agrícola, para dominá-la com seus insumos. As sementes têm muitos significados que unem a humanidade. Nelas há ciência, espiritualidade, sabedoria. Tudo isto perdemos quando perdemos as sementes, inclusive o direito de continuar sendo camponês.

IPS: Na América Latina a defesa de variedades nativas de milho contra as modificadas geneticamente também mobiliza os camponeses.

FR: Sim, se vê isso no México, na América Central, no Brasil. A defesa das sementes do milho natural no México não é uma luta apenas dos camponeses, mas de todo o povo. Da mesma forma, o resgate das múltiplas plantas de milho crioulo no Brasil constitui uma garantia de variedade e riqueza alimentar, e de resistência às enfermidades que afetam as plantas.

IPS: Outro desafio na América Latina é a suposta estrangeirização e o monopólio de terras. Quais ações a Via Camponesa propõe?

FR: A única garantia é o acúmulo de forças para a mobilização e a resistência contra o monopólio de terras. As sociedades devem entender que o direito à terra e à agricultura é de todos, de cada país e cada povo, não apenas dos camponeses, e que, por isso, da luta por esse direito todos devemos participar. O monopólio decorre dos interesses principais do capital transnacional, pois a terra por meio da agricultura lhes proporciona enormes lucros e também acesso a outros recursos, como a água e os minerais. Assim, os limites legais que estão sendo introduzidos na estrangeirização não são suficientes. Temos que eliminar as monoculturas, proteger a água e devolver a terra à sua função social: a de produzir alimentos para o povo. Devemos defender a Mãe Terra, que nos dá vida e pertence a todos. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
 OPINION: Contras and Drugs, Three Decades Later
 U.S. Contractors Convicted in 2007 Blackwater Baghdad Traffic Massacre
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
 Los indígenas, convidados de piedra en las concesiones de tierras
 La democracia es “radical” en el norte kurdo de Siria
 Ãfrica puede seguir los pasos de Suiza
MÁS >>