África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
Expansão monetária, o remédio pode ser pior do que a doença
Fernando Cardim de Carvalho*

Rio de Janeiro, Brasil, julho/2013 , (IPS) - Os líderes mundiais demoraram algum tempo para se darem conta de que a crise financeira, iniciada após o colapso do setor das hipotecas de alto risco nos Estados Unidos, em 2007, não esgotaria seus efeitos em uma simples recessão.

Durante a maior parte de 2007 e 2008, as autoridades governamentais, especialmente nos Estados Unidos, argumentaram, corretamente, que os créditos hipotecários de alto risco eram um segmento relativamente pequeno do sistema financeiro norte-americano, concluindo, erroneamente, que a crise poderia ser facilmente contida mediante os recursos convencionais à disposição do Departamento do Tesouro e do Federal Reserve.

Entretanto, a crise se estendeu a outros setores dos mercados financeiros norte-americanos e, em setembro de 2008, com a quebra do Lehman Brothers, se propagou para grande parte do mundo.

Sucessivamente, a provisão de créditos se contraiu e a crise financeira se transformou em uma crise econômica, com uma produção minguante e crescente desemprego.

A comprovação de que a crise era mais profunda do que o previsto inicialmente fez com que os governos reagissem mediante a adoção de políticas macroeconômicas antirrecessivas. Foram aplicadas políticas fiscais e expansões monetárias, de uma forma ou outra, não só nos Estados Unidos e na Europa ocidental, mas também em muitos países em desenvolvimento, entre 2008 e 2009.

O colapso da produção e o emprego nas economias industrializadas foi contido, e o fantasma de um desastre como o do começo dos anos 1930 foi exorcizado, ao menos temporariamente e para alguns países. Neste ponto, o debate nas nações avançadas sobre as políticas econômicas mudou de rumo.

Embora a recessão continuasse e o desemprego aumentasse mais do que antes da crise, tanto nos Estados Unidos quanto na Europa, o debate deixou de centrar-se nos problemas reais e se alojou no equilíbrio orçamentário.

Os conservadores, desde a lunática extrema direita do Tea Party nos Estados Unidos, até os governos do norte da Europa guiados por partidos ou coalizões de direita, puseram freio às políticas fiscais dirigidas a incentivar a produção e o emprego.

Desde então, o recurso das políticas fiscais antirrecessivas se tornaram publicamente inaceitáveis, mesmo quando a produção diminui e o desemprego cresce. Nestas condições, só resta um instrumento para enfrentar a crise: a política monetária.

Tradicionalmente, esta política opera na economia mediante variações das taxas de juros. Mas os juros aplicados por autoridades monetárias, como o Federal Reserve dos Estados Unidos ou o Banco da Inglaterra, por exemplo, já eram muito baixos, próximos de zero.

Portanto, pouco podia fazer a política monetária convencional para compensar a falta de uma política fiscal antirrecessiva racional.

Neste contexto, foram formuladas as políticas de expansão monetária quantitativa nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha e mais recentemente no Japão, enquanto o Banco Central Europeu não termina de definir sua própria política.

As manobras de expansão monetária são simplesmente iniciativas para injetar dinheiro na economia em quantidade suficiente para estimular a oferta de crédito para empresas e consumidores.

Quais são os resultados destas políticas? Certamente, as economias industrializadas que as adotaram ainda estão lidando com a crise. Uma leitura generosa costuma sustentar que, embora as coisas ainda não estejam bem, estariam muito pior se essas políticas não fossem aplicadas.

Para as economias em desenvolvimento, o impacto é certamente ambíguo. Por um lado, costuma-se argumentar que, se não mediassem as manobras de expansão monetária, os países industrializados estariam em uma situação muito pior, e que isto repercutiria nas economias em desenvolvimento. Com uma recessão mais profunda nas economias industrializadas, o intercâmbio comercial teria caído ainda mais, criando problemas na balança de pagamentos de muitos países em desenvolvimento.

Do ponto de vista dos países em desenvolvimento, a expansão monetária não é a melhor maneira de apoiar a produção e o emprego. Adotada pelos países avançados, induz uma abundante liquidez que se oferece a juros muito baixos, e isto faz com que uma parte dessa massa monetária migre em busca de maiores rendimentos, provocando a desvalorização da moeda do país que a pratica.

Esta manobra produz dois estímulos pelo preço de um: os menores juros estimulam a produção interna e os investimentos, e as moedas desvalorizadas estimulam as exportações.

Para os países em desenvolvimento a situação se inverte: recebem uma excessiva liquidez externa que valoriza suas moedas, encarecendo suas exportações e barateando suas importações.

Este processo faz surgir um déficit na balança de pagamentos que se pode financiar facilmente, precisamente, graças à enorme liquidez circulante.

Assim é até o momento em que a expansão quantitativa nos países avançados se interrompe e os países receptores descobrem, como ocorreu tantas vezes no passado, que acumularam uma dívida externa que pode levá-los à crise.

Seria melhor que os países industrializados não praticassem a expansão monetária? Bem, os governos destes países tinham que fazer algo para enfrentar a crise, e a política monetária era o único instrumento que lhes restava após o veto dos partidos de direita contra a política fiscal.

Entretanto, é inquestionável que seria preferível uma política fiscal antirrecessiva nos países avançados, porque estimula suas economias sem desvalorizar suas moedas.

A expansão fiscal, em contraste com a monetária, não prejudica os demais países.

Precisamente, o Federal Reserve dos Estados Unidos já anunciou que, em um prazo relativamente breve, espera frear a terceira manobra de expansão monetária.

Esta prática causou os efeitos nocivos nos países em desenvolvimento que apontei, mas sua interrupção também apresenta riscos.

É possível, por exemplo, que as taxas de juros aumentem muito e rapidamente, criando sérios problemas aos países e às empresas que tomaram empréstimos neste período.

A volatilidade que pode engendrar mediante mudança de direção é um problema em si mesmo, pois afugenta os investidores e deprime a produção. Uma política de estímulo para sair de uma depressão é a atitude correta, mas a expansão monetária é um instrumento que, definitivamente, representa grandes riscos, em curto e médio prazos, para a situação macroeconômica. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Mubarak Acquitted as Egypt’s Counterrevolution Thrives
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Desarrollo sostenible gana impulso en excolonias europeas
 Ley homofóbica excluye a gays de lucha contra el sida en Zimbabwe
 A los migrantes les barren el sueño europeo en Trípoli
 La economía de Kenia crece, pero los pobres no se enteran
 EEUU-Cuba, el principio del fin de un histórico enfrentamiento
MÁS >>