África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Mulheres haitianas ainda lutam por espaço político
Valeria Vilardo

Porto Príncipe, Haiti, 19/7/2013, (IPS) - Há mais de dois anos o parlamento do Haiti aprovou uma emenda histórica à Constituição, para garantir que as mulheres ocupassem ao menos 30% dos postos eletivos e designados em âmbito nacional.


Crédito: Valeria Vilardo/IPS
A participação das mulheres haitianas na vida nacional, especialmente na política, é essencial para fortalecer a democracia e o império da lei.
Desde então houve alguns avanços: por exemplo, dez dos 23 ministérios do atual governo de Michel Martelly são dirigidos por mulheres. De todo modo, a implantação da lei continua paralisada.

"Com apoio de organizações feministas, tradicionalmente ativas desde 1986, as mulheres que ocupam cargos políticos têm o potencial de transformar toda a sociedade, que se sustenta principalmente do trabalho delas", disse à IPS Marina Gourgue, secretária de Estado para a Educação Profissional. "As mulheres que estão em postos de tomada de decisões têm as maiores capacidades de influir na agenda política, legislativa e econômica para promoverem seus direitos", pontuou. No entanto, "é preciso ter uma lei de implantação que detalhe como avançar na realização concreta do Artigo 17-1 da Constituição, aprovada em 1987, ou incluir esta disposição na nova lei eleitoral", acrescentou.

As mulheres haitianas constituem pouco mais da metade da população, e sua contribuição com a vida social, política e econômica do país mais pobre da América também se deve ao fato de terem duplo papel, em casa e no trabalho. Em geral, a representação feminina nos parlamentos do mundo é de 20%, índice que reflete a falta de igualdade de gênero. Em 2010, segundo a União Interparlamentar, o Haiti foi um dos países com menos participação de mulheres na política e nos processos de tomada de decisão. A situação melhorou um pouco com as eleições de 2011, após o devastador terremoto de 12 de janeiro de 2010.

Atualmente, a câmara baixa do parlamento haitiano tem cinco mulheres em um total de 99 membros: Marie Jossie Etienne, Ogline Pierre, Guerda Benjamin Bellevue, Marie Denise Bernadeau e Ruffine Labbé. No Senado há apenas uma mulher, Edmonde Supplice Beauzile. "É necessário que o governo tome medidas para implantar a cota mínima de 30% e busque uma igualdade plena em termos de participação feminina, conseguindo 50% em todos os postos eletivos e designados nas duas câmaras", disse à IPS Jean-Claude Muenda Kabisayi, representante da ONU Mulheres no Haiti.

Wany Berrenite é a diretora da Organização Mulheres em Ação (Ofac), entidade não governamental que reúne habitantes de contextos marginalizados em Petit Goâve, uma localidade costeira 68 quilômetros a sudoeste de Porto Príncipe. "A adoção da cota mínima pode ajudar as mulheres a apoiarem políticas sensíveis ao gênero e garantir que sejam atendidas as necessidades e os direitos das haitianas", afirmou à IPS. A Ofac oferece capacitação, ferramentas e apoio para empoderar as mulheres nos planos social, político e econômico para potencializar sua plena participação na sociedade haitiana.

A lei haitiana prevê iguais condições de trabalho independente do gênero, das crenças religiosas ou do estado civil, mas não proíbe explicitamente o assédio sexual, que é comum nos locais de trabalho. "O assédio sexual é algo comum no Haiti", indicou Berrenite. "As mulheres que ocupam postos políticos e de tomada de decisões são sensíveis com a defesa de outras contra todas as formas de violência, especialmente a sexual. As organizações feministas exortam o governo haitiano a abordar seriamente a violência contra mulheres e meninas com leis adequadas que possam punir esses crimes, que empobrecem nosso ameaçado país", destacou.

A participação das mulheres na vida nacional, especialmente na política, também é essencial para fortalecer a democracia e o império da lei. Um dos principais obstáculos para as mulheres é a discriminação estrutural associada com a organização patriarcal da sociedade e com o limitado acesso à educação formal. "Há muitas barreiras culturais e estereótipos de gênero que determinam a percepção comum da política como um assunto masculino", afirmou Kabisayi à IPS. "É na esfera política que temos os instrumentos e o orçamento para o desenvolvimento, mediante a formulação e a implantação de leis. A presença de mulheres na política é essencial para promover os direitos femininos e também os de toda a sociedade", observou.

Essas desigualdades são especialmente pronunciadas no âmbito local. Nas últimas eleições, apenas 3% das mulheres foram eleitas para o Conselho de Administração e apenas 2% para o Poder Judiciário. Em março, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) exigiu que os líderes mundiais rompessem um impasse de 16 meses que impediu a realização das muito adiadas eleições, que deveriam ter acontecido em janeiro de 2012.

No mesmo mês, o Palácio Nacional do Haiti observou que o parlamento finalmente enviara os nomes de três de seus membros para integrar um conselho eleitoral de nove membros, que teria a função de realizar eleições para prefeitos e para dez das 30 cadeiras no Senado. Contudo, os atuais atritos políticos, as discrepâncias e as preocupações quanto a quem integrará o poderoso Conselho impõem o risco de atrasar ainda mais a votação.

"A política, como um jogo de soma zero, não é algo que faça avançar um país", disse Nigel Fisher, chefe da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) em um comunicado de 21 de março, no qual exorta o governo a programar imediatamente novas eleições. "Criar consenso em torno dos elementos centrais de um processo político inclusivo e de instituições democráticas é muito importante", enfatizou. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Europa a la vanguardia… de la decadencia
 Las elecciones ofrecen poco consuelo a los pobres de Sri Lanka
 Mujeres afrontan desafíos ambientales con ingenio en India
 Cuba exporta carbón vegetal de plantas invasoras
 Lucha por el sucesor de Mugabe frena el desarrollo en Zimbabwe
MÁS >>