África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Nova tentativa para ponte comercial entre África austral e União Europeia
Servaas van den Bosch

Windhoek, Namíbia, 23/7/2013, (IPS) - A África austral se prepara para uma nova rodada de negociações com a União Europeia (UE) sobre os Acordos de Associação Econômica (EPA) após o fracasso dos últimos contatos em junho.


Crédito: Patrick Burnett/IPS
A pesca contribui com pelo menos US$ 10 bilhões a cada ano para as economias da África, especialmente as de Angola e Namíbia.
Esses convênios dariam à região melhor acesso ao lucrativo mercado europeu. Na semana passada, o comissário europeu de Comércio, Karel de Gught, visitou a região e deixou evidente que ainda há muitas diferenças.

As problemáticas gestões entre UE e o grupo negociador da comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), integrado por África do Sul, Angola, Botsuana, Lesoto, Moçambique, Namíbia e Suazilândia, já se estenderam por cinco anos além do prazo fixado em 2008. A África do Sul aderiu às negociações há dois anos, e procura melhorar os termos dos acordos quanto a produtos agrícolas.

Das importações dos países BLNS (Botsuana, Lesoto, Namíbia e Suazilândia), 80% procedem da África do Sul, e estas nações estão unidas com Pretória na União Aduaneira da África austral. Portanto, a entrada dos sul-africanos nas negociações apresenta tanto dilemas como oportunidades para a integração econômica regional.

A UE e a África do Sul representam os contrapesos nas gestões, e os países menores estão no meio. Entre 14 e 21 de junho, altos funcionários dos dois lados se reuniram em Bruxelas, na Bélgica, para alcançar um acordo, mas obtiveram escassos progressos. "Basicamente, estamos no mesmo lugar em que nos encontrávamos no ano passado. Nada mudou para nos levar a um acordo", declarou Rejoice Karita, assessora do Fórum de Comércio Agrícola, companhia namibiana que representa o setor agroalimentar.

As conversações chegaram a um impasse quando a UE disse que a África do Sul não oferecia o suficiente em termos de acesso ao mercado agrícola. A União Europeia havia pedido acesso a mercados para 67 linhas alfandegárias, mas os sul-africanos concederam apenas 20 e estabeleceram cotas em algumas delas. Segundo negociadores, o bloco europeu respondeu que a oferta era escassa e pediu mais.

A paralisação das negociações afeta também a discussão sobre salvaguardas para a agricultura, que são extremamente importantes para as economias menores da região. Essas proteções permitem aos países aumentar impostos ou aplicar cotas se um surpreendente aumento das importações ameaçar a produção local. A União Europeia quer ver concessões da parte sul-africana em matéria de acesso a mercados antes de aceitar as salvaguardas agrícolas.

No entanto, as duas partes se negam a ceder. A África do Sul está determinada a proteger sua indústria de lácteos e outros produtos. Segundo Karita, a próxima rodada de conversações, em setembro e outubro, será crucial. "Os dois blocos têm fortes posições, e há pouco avanço, do lado da UE estão acrescentando novos artigos ao texto. Estas táticas de negociação atrasam o processo, e no final das contas a Namíbia poderia ficar de fora", disse à IPS.

Outro grande obstáculo são os impostos sobre exportações. Diante da competição da China, a União Europeia quer garantir matéria-prima, mas as economias em desenvolvimento da África austral querem impor taxas ao valor agregado local para reorientar suas exportações e, assim, desenvolver a economia nacional. Gught afirmou à IPS durante visita à capital da Namíbia, Windhoek, que o assunto dos direitos de exportação estão quase resolvidos com um acordo para que sejam aplicados somente aos bens industriais.

Entretanto, o negociador namibiano Malan Lindeque afirmou que a questão não pode simplesmente "ser descartada". "Os impostos sobre exportações são um tema fundamental para a Namíbia. Somos principalmente exportadores de matéria-prima e precisamos reverter essa situação. É crucial avançarmos para disposições mais explícitas", disse Lindeque à IPS. O negociador lamentou que a União Europeia imponha o prazo de outubro de 2014 para encerrar as negociações.

"Devido a este lamentável prazo, algumas circunstâncias não podem se acomodar adequadamente nas conversações. De todo modo, não assinaremos um acordo que não esteja dentro de nossos interesses de longo prazo", destacou Lindeque, que também alertou que uma entrada maior de bens agrícolas europeus na África do Sul terá um impacto no mercado da Namíbia, por meio da União Aduaneira da África Austral.

"Os produtos europeus já são extremamente competitivos. É mais barato importar alimentos básicos da Europa do que produzi-los localmente. Sempre é uma batalha para nossos agricultores conseguirem que seus produtos cheguem às gôndolas dos supermercados locais, e muito mais para exportá-los à região", ressaltou Lindeque. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Giro radical de Europa frente a los conflictos en Siria e Iraq
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
 Las razones por las que Kazajstán desmanteló su arsenal nuclear
 VIH/sida llama a revisar desventajas sociales en Cuba
 Las mujeres, pilar en la lucha social de la Patagonia chilena
MÁS >>