África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Colaboração suíça de longo alcance em Cuba
Patricia Grogg

Havana, Cuba, 23/7/2013, (IPS) - Globalmente, cinco programas encabeçarão o trabalho da Cosude no período 2013-2016: mudança climática, água, segurança alimentar, saúde e migrações.


Crédito: Jorge Luis Baños/IPS
Regula Bäbler: “Nosso trabalho tem como objetivo o bem-estar das pessoas”.
"Estes assuntos são trabalhados de maneira global e regional, como, por exemplo, o de adaptação à mudança climática na região", explicou Bäbler, que ao final de sua missão em Havana falou à IPS sobre as prioridades da Cosude, tanto em nível mundial quanto regional, como no caso particular de Cuba.

IPS: Qual o resultado da cooperação realizada pela Cosude em Cuba em matéria de mudança climática e quais desafios implica nos próximos anos?

Regula Bäbler: O contexto da cooperação com Cuba para o período 2011-2014 não é explícito sobre este tema. Contudo, o parlamento suíço aprovou, no começo de 2011, o financiamento extra para projetos dedicados à adaptação à mudança climática. Este foi um impulso importante para a cooperação do meu país em todos os países. Graças a contrapartes que já haviam apresentado progresso nesse assunto, conseguimos apoiar três projetos. Um foi da agência de notícias IPS (Inter Press Service), que trabalha o problema com uma ótica regional a partir da comunicação, chamado Desafios da Natureza: Mudança Climática, Mitigação e Adaptação no Grande Caribe. No caso concreto de Cuba, outro destes programas permitiu ao Escritório do Historiador da cidade estudar as ameaças da mudança climática para o dique tradicional, que margeia vários quilômetros da costa de Havana. Um terceiro projeto contribuiu com um programa da ONU-Habitat para sensibilizar a população sobre os riscos da mudança climática e como se adaptar.

IPS: O projeto Basal (Bases Ambientais para a Sustentabilidade Alimentar Local) é o último que a Cosude apoia financeiramente, junto com a União Europeia. Que objetivo este programa quer alcançar?

RB: É um projeto muito ambicioso, e também muito simples, porque busca que os produtores continuem obtendo frutos de seu trabalho apesar da mudança climática. Talvez aumentem ou melhorem seus rendimentos, mas o primeiro objetivo é que se mantenha o que as pessoas têm até agora. Em princípio, abarca três municípios, embora a ideia seja que se estenda a 30. Um tema central neste projeto é melhorar a informação sobre as mudanças que ocorrem e como adaptar a produção agropecuária a problemas como a salinização dos solos, secas ou chuvas intensas e fora de época, ou furacões mais intensos.

IPS: Para quais setores se dirige a colaboração no campo social?

RB: Em geral, pensamos que é preciso velar pelo tema da igualdade. É bem conhecido que todos têm acesso a saúde, educação e o mínimo básico para viver. Mas, também observamos, e não somos os únicos, que as mudanças propostas pelo governo podem trazer desigualdades. Nos sentimos comprometidos com as pessoas e os grupos que ficariam em desvantagem porque não estão bem preparados para aproveitar essas transformações. Assim, a partir de diferentes projetos apoiamos os municípios para que tenham capacidade de descobrir e abrir possibilidades para esses setores. Tudo isto sem esquecer a igualdade de gênero, que para a Cosude é um tema transversal obrigatório, ou seja, que em cada intervenção se considere o que significa para homens e mulheres e velar por benefícios iguais. Este trabalho integra também temas como o das masculinidades e a violência de gênero.

IPS: Quais desafios trouxe à colaboração internacional o processo de atualização do modelo econômico que o governo cubano realiza?

RB: O trabalho da cooperação é apoiar mudanças para melhorar a situação das pessoas. Para mim está claro que o governo de Cuba também quer isso. Nesse sentido, o processo de atualização é bem-vindo e queremos apoiá-lo. Também sabemos que estes processos são complicados e precisam de muita adaptação e reorganização das instituições. Compreendo que o país precisa de investimento financeiro forte, que não vem da cooperação. Mas as entidades com que trabalhamos pensam que a colaboração internacional traz ideias e impulsos que também são importantes. Talvez isso seja uma boa base de diálogo com níveis altos do governo. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
 OPINION: Contras and Drugs, Three Decades Later
 U.S. Contractors Convicted in 2007 Blackwater Baghdad Traffic Massacre
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 La democracia es “radical” en el norte kurdo de Siria
 Ãfrica puede seguir los pasos de Suiza
 Â¿La hora del cambio entre Cuba y Estados Unidos?
 Finalmente, Guatemala juzgará a militares por esclavitud sexual
 La reforma política de Rousseff ya enfrenta trabas en Brasil
MÁS >>