África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Mutilação genital feminina perde apoio
Lucy Westcott

Nações Unidas, 24/7/2013 , (IPS) - Mais de 125 milhões de mulheres e meninas foram vítimas da mutilação genital na África e Ásia, e outras 30 milhões correm risco de sofrer essa prática na próxima década, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).


Crédito: Travis Lupick/IPS
A ablação é um tema tabu na Libéria, e as mulheres correm perigo se falam sobre ele.
Porém, a prática lentamente parece perder popularidade. Essa agência da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um informe que constitui o ponto culminante de 20 anos de pesquisa em 29 países desses dois continentes, com base em pesquisas nacionais.

O Egito é onde há mais mulheres entre 15 e 49 anos que foram submetidas a essa prática: 27,2 milhões. Apesar de ser ilegal, uma esmagadora maioria de casos de ablação nesse país é realizada por pessoal médico. A mutilação genital feminina é quase universal em várias nações, segundo o informe, divulgado no dia 22. Na Somália, a proporção de mulheres nessa faixa etária que foram mutiladas é de 98%, a maior do mundo, e em Guiné e Djibuti os índices são de 96% e 93%, respectivamente.

A probabilidade de uma menina ser submetida à ablação é maior se sua mãe também sofreu essa experiência. Mas as novas gerações têm menos probabilidades de sofrer a prática por serem mais conscientes de suas consequências negativas, como complicações no parto, infecções, sangramentos e danos psicológicos, destacou à IPS Claudia Cappa, autora do informe e especialista em estatísticas do Unicef. "As meninas podem ser importantes agentes de mudança ao longo das gerações", acrescentou.

O documento do Unicef contém a primeira informação publicada sobre o Iraque, que só começou a elaborar estatísticas sobre a mutilação genital feminina em 2010, destacou Cappa. Nesse país, meninas que foram mutiladas "tiveram a oportunidade de interagir com outras que não foram, e se deram conta de que não eram estigmatizadas" socialmente, explicou.

Uma das conclusões mais importantes do informe é que a incorporação da população masculina na luta contra a ablação é fundamental. Muitos homens e jovens nos 29 países estudados estão a favor de acabar com essa prática. O Unicef agora pretende tornar mais visível esta perda de popularidade da prática e influenciar as sociedades para que a abandonem por completo.

A ablação continua sendo praticada sob diferentes e duvidosas desculpas: higiene, "preservação da virgindade" e reputação social. Em alguns países, estimula-se a prática porque os homens sentem maior prazer ao manterem relações sexuais com uma mulher que foi submetida à ablação. "É algo que está sempre presente", disse em entrevista coletiva Francesca Moneti, conselheira em proteção infantil para o Unicef. "A menina chega à idade de ser mutilada, e é mutilada". Quando se submetem a essa prática, as meninas ganham maior reputação social e "boa consciência", diz o informe.

Efua Dorkenoo, diretora do projeto contra a mutilação genital feminina da organização Equality Now, destacou a necessidade de serem adotadas medidas mais fortes de proteção nas comunidades onde a prática persiste, bem como programas de apoio para as meninas que fogem de suas famílias para escapar da ablação. Também é importante que as organizações, incluindo o Unicef, se deem conta de que é preciso um enfoque em vários níveis, incluindo trabalhadores da saúde e as autoridades, além de promover uma mudança de costumes nas comunidades, pontuou a diretora.

"A mudança de comportamento nas comunidades é um processo de longo prazo", afirmou Dorkenoo, acrescentando que a ablação diretamente constitui violência contra as mulheres e tem origem em desejos de controle sexual, social e de gênero. Entretanto, a prática está muito arraigada e, portanto, não basta as comunidades declararem que a abandonaram. "É muito simplista acreditar que tais declarações signifiquem que a ablação terminou. Isso serve apenas para fazer o público no Ocidente se sentir bem", opinou. E ressaltou que não havia um único modelo para enfrentar essa prática nos diversos países.

Quando as comunidades fazem uma declaração desse tipo é significativo, mas depois é difícil constatar se realmente a prática foi erradicada, afirmou Cappa. Dorkenoo reconheceu os esforços do Unicef em matéria de educação nas comunidades, com ênfase em democracia e direitos humanos, o que também contribui para erradicar práticas como a ablação, mas lembrou que se deve fazer algo mais em nível estrutural. "É muito simplista pensar que se pode ir a uma comunidade durante 30 anos, falar sobre direitos humanos e democracia, e esperar por uma mudança", enfatizou. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Indígenas necesitan fondos para luchar contra VIH/sida
 Países del Sur se imponen al Norte en negociación de la OMC
 BRICS, una brecha en ordenamiento financiero de Occidente
 Buen futuro para los precios agrícolas pero no tanto para los pobres
 Desplazados viven una pesadilla en el norte de Pakistán
MÁS >>