África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Revolução ou gatopardismo no Vaticano?
Fabiana Frayssinet

Rio de Janeiro, Brasil, 2/8/2013, (IPS) - "Negociamos bem: o papa é argentino e Deus é brasileiro", brincou Francisco quando jornalistas lhe perguntaram sobre como é ser tão amado neste país, onde reuniu milhões de pessoas, tendo em conta a histórica rivalidade futebolística entre os dois povos.


Crédito: Fabiana Frayssinet/IPS
Analistas se perguntam se as mudanças na Igreja Católica declaradas pelo papa Francisco são sólidas.
No entanto, analistas religiosos se perguntam até onde a Igreja Católica está disposta a "negociar", como instituição, em temas tabus para sua tradição, como a ordenação sacerdotal de mulheres, a integração dos divorciados e a rejeição aos homossexuais.

O cardeal argentino Jorge Bergoglio, hoje papa Francisco, teve especial cuidado de deixar esses assuntos fora do protocolo da Jornada Mundial da Juventude, motivo de sua visita ao Brasil, entre 22 e 28 de julho. Em resposta aos jornalistas durante seu voo de retorno ao Vaticano, respondeu em entrelinhas o que agora muitos leem como uma "revolução" do "papa que chegou da terra de nascimento de Che (Ernesto) Guevara", ou, no mínimo, o início de uma abertura da Igreja Católica.

"Se uma pessoa é gay e busca o senhor com boa vontade, quem sou eu para julgá-la? O catolicismo ensina que não se deve discriminar, mas acolher", acrescentou ao condenar, no entanto, o "lobby gay" que, como outros grupos de pressão, não são "coisa boa". O escritor e teólogo dominicano Frei Betto disse, em entrevista à IPS, que se trata de um chefe da Igreja Católica disposto a fazer concessões, um homem de diálogo e não de disciplina. "Já não temos um papa conservador como os que o antecederam", opinou.

No entanto, são concessões e não revoluções, segundo o sociólogo Luiz Alberto Gomes de Souza, diretor do Programa de Ciência e Religião da Universidade Cândido Mendes. Ele não vê na figura do papa a de um "rebelde" que chegou ao Vaticano para mudar a doutrina. "Eu diria que o papa não mudou a doutrina tradicional sobre uma série de temas, mas que, ao evitar uma condenação, de certo modo emitiu um silêncio que é libertador. Ou seja, um silêncio que permite que se comece a discutir estes temas", pontuou Souza à IPS.

O bispo de Roma, como Francisco prefere ser chamado nesta nova postura de humildade papal, fechou uma porta para outros assuntos como aborto e casamento entre pessoas do mesmo sexo, aos quais se opôs ferreamente como cardeal na Argentina. A Igreja já se expressou perfeitamente sobre isso. Não havia necessidade de retornar ao assunto, respondeu aos jornalistas. Contudo, Souza entende que o papa teria aberto outra porta: a de um novo "clima" propício ao debate em questões "congeladas" nas paróquias, como celibato obrigatório de sacerdotes, moral sexual, castidade dos jovens, condenação aos métodos anticoncepcionais e diversidade sexual.

"As pessoas (da Igreja) tinham medo de discutir esses assuntos. Agora, de certo modo, ele os descongelou", apontou o sociólogo. "Ele não fechará o debate dentro da Igreja sobre os temas de teologia moral que estão congelados desde o século 16, e que os teólogos não podem abordar sem correr o risco de censura ou sanção", afirmou Frei Betto. O papa não se referiu a esses temas "congelados", mas a outros quentes abordados pelos jornalistas no avião, como divórcio e participação das mulheres dentro da Igreja.

"Creio que chegou o tempo da misericórdia. Quando se reunir o grupo de oito cardeais, nos primeiros dias de outubro, discutiremos como seguir adiante na pastoral do matrimônio", respondeu o papa ao se referir à demanda de católicos divorciados, que não podem realizar uma segunda união pelos ritos católicos. Deste modo, deixou também aberto o tema da ampliação do conceito de "nulidades" do matrimônio.

Além disso, abriu uma porta para as mulheres. "Deve-se seguir adiante, não se pode entender uma Igreja sem mulheres ativas nela. Não temos ainda uma teologia da mulher. É preciso fazê-la", acrescentou Francisco. Porém, para que não haja confusão, o papa esclareceu que, "quanto às ordenações das mulheres, a Igreja diz não. João Paulo II se pronunciou com uma formulação definitiva. Essa porta está fechada", enfatizou.

Dentro de um novo clima de "alegria" e otimismo, e não de "quem parece em constante luto", como disse em sua homilia em Aparecida, o papa preferiu destacar o "positivo", como ressaltou aos jornalistas ao regressar a Roma. Paulo Carneiro de Andrade, da Pontifícia Universidade Católica, define esse novo ambiente eclesiástico "otimista" não como uma "mudança doutrinária, mas na relação pastoral". Um clima necessário em meio a uma Igreja Católica que perde terreno diante de grupos evangélicos mais festivos em seus cultos e com pastores mais perto de seus seguidores.

O que mudou, segundo Carneiro de Andrade, foi "o contexto pastoral no qual agora se fala". Como Souza, este teólogo destaca que não há "inovação" em temas como a integração dos homossexuais na sociedade e na condenação à homofobia. Tampouco no dos divorciados, que já foi discutido na era de seu predecessor, Bento 16. "Surpreende porque antes o tom era negativo, de condenação, de desconfiança do mundo moderno. Este papa mostra uma visão mais positiva e construtiva da fé cristã. Por isso o que diz ganha outra dimensão", afirmou Carneiro de Andrade à IPS.

Uma nova dimensão cuidadosamente tecida na escolha do perfil do novo papa. É "um papa necessário, que foi eleito devido à renúncia de Bento 16, que admitiu não poder tomar conta dos problemas que a Igreja enfrenta", destacou Frei Betto. Na entrevista à TV Globo, "Francisco deixou claro que houve uma articulação dos cardeais reunidos para o conclave, e que a decisão foi a de que o papa a ser eleito deveria ser alguém capaz de transformar a Igreja", acrescentou.

Carneiro de Andrade coincide quanto ao colégio cardinalício "querer uma pastoral que tivesse essa relação e um evangelizador com um modelo mais propositivo, mais otimista sobre o futuro". O constante sorriso e o toque de humor deixados pelo papa Francisco no Rio de Janeiro mostram esse caminho. O qual, ante o rosto sempre adusto e sério de Bento 16, não deixa de ser uma revolução.

"Em sua visita ao Brasil, o papa se mostrou aberto, inclusive em temas que, até agora, eram proibidos na Igreja Católica, como a homossexualidade e o papel da mulher", recordou Frei Betto. "Foi muito importante o que disse na viagem de volta sobre os gays e a necessidade de uma teologia da mulher, o que, espero, seja o primeiro passo para que no futuro se permita a ordenação sacerdotal feminina. E, certamente, ele terá que reverter a proibição de que os divorciados tenham acesso aos sacramentos", acrescentou.

"Podemos entender que ele não fechará o debate na Igreja sobre os temas da teologia moral", mas também se deve considerar que, "na Igreja, tudo caminha devagar. Não é fácil mover um elefante que pesa dois mil anos de tradição", observou Frei Betto. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 ISIS Complicates Iran’s Nuclear Focus at UNGA
 Surprisingly Equal, Surprisingly Unequal
 OPINION: Fighting ISIS and the Morning After
 Nuclear Deal with Iran Likely to Enhance U.S. Regional Leverage
 U.S. Ground Troops Possible in Anti-ISIS Battle
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Crece el respaldo mundial a fijación de precio del carbono
 Estado Islámico pesa en la negociación nuclear con Irán
 El azúcar cubano adquiere protagonismo energético
 Gestión marítima de Barbuda se olvida de los pescadores
 ONU insta a reafirmar derechos reproductivos en agenda post-2015
MÁS >>