UGANDA:
Ecologistas lutam para que se deixe de comer chimpanzés
Henry Wasswa
Região de Albertine Rift, Uganda, 6/11/2012 (IPS) - Conservacionistas que se esforçam para proteger a população remanescente de chimpanzés em Uganda estão preocupados porque pessoas que vivem perto das reservas de biodiversidade, no oeste do país, os matam para comer sua carne.

"Não pensávamos que os ugandenses estivessem consumindo carne de chimpanzé, mas começamos a observar que estão comendo macacos e chimpanzés. Isto assusta. A ameaça à sua sobrevivência aumentou", disse Lily Ajarova, que administra o Santuário de Chimpanzés de Ngamba, na ilha de mesmo nome no Lago Victoria, na região de Albertine Rift.

Este santuário, onde vivem 48 primatas resgatados do cativeiro, foi criado com a ajuda do Instituto Jane Goodall e é administrado pelo Santuário de Chimpanzés e pela Wildlife Conservation Trust. Há décadas, dezenas de milhares de chimpanzés perambulavam pelas densas florestas tropicais que então cobriam um vasto trecho da região de Albertine Rift. A área cobre a parte ocidental do Grande Vale do Rift, desde o noroeste de Uganda até o extremo sudoeste, ao longo da fronteira com a República Democrática do Congo.

Entretanto, segundo o Fundo Mundial para a Natureza, os chimpanzés já desapareceram de boa parte dos países africanos ou estão à beira da extinção, em boa parte devido ao desmatamento e à caça ilegal para se ter sua carne. Estima-se que atualmente existam apenas cinco mil exemplares em Uganda, segundo funcionários da área de conservação. A maioria dos que restam no país está protegida em seis reservas de caça e florestais na região de Albertine Rift, enquanto os outros estão em florestas de propriedade privada.

Ajarova disse à IPS que, apesar de há dois anos sua equipe de conservacionistas notar pela primeira vez que havia gente que comia carne de primatas no oeste de Uganda, os que incorriam nessa prática eram principalmente imigrantes ou refugiados da vizinha República Democrática do Congo. Era incomum os ugandenses comerem essa carne, destacou.

"Há muitas outras partes do mundo em que se come carne de primatas, mas isto não acontecia em Uganda. Com o passar do tempo começamos a testemunhar essa prática, que se desenvolve lentamente, da qual nos inteiramos quanto estivemos no lugar há dois anos", disse Ajarova, acrescentando que agora é "um problema emergente". A recente chegada de imigrantes da República Democrática do Congo mudou o equilíbrio demográfico da área e impactou na cultura local, observou.

Em julho, o ministro de Alívio, Preparação para Desastres e Refugiados, Musa Ecweru, disse que Uganda estava se esforçando para alimentar a grande quantidade de pessoas que fugiam dso combates na província congolesa de Kivu do Norte. Estima-se que no ocidente de Uganda há 16 mil refugiados congolenses. "Na área há muitos refugiados congolenses, e eles podem ter influído na população local para que comesse macacos e chimpanzés", opinou Ajarova.

"Isto não foi parte da cultura ugandense no passado, mas agora está se tornando um problema. Descobrimos que agora esse hábito está estendido por toda a região ocidental. Acontece em quase todas as aldeias que visitamos. De vez em quando vemos aldeões carregando esqueletos de macacos e, às vezes, de chimpanzés", disse Ajarova.

Os funcionários também acreditam que as pessoas passaram a comer primatas porque a região de Albertine Rift está devastada pela pobreza e seus habitantes dependem principalmente dos recursos florestais para sobreviver, já que não podem se dar o luxo de comprar carne. Os especialistas se preocupam que a nova tendência possa causar um surto de ébola, uma febre hemorrágica frequentemente fatal, que se acredita ser passada aos seres humanos pelo contato com animais infectados.

"É um problema sério. Toda carne que se come tem que passar por uma adequada inspeção veterinária, mesmo sendo de fazendas. As pessoas que ingerem carne de primatas correm o risco de contrair zoonoses, entre elas o éloba", disse à IPS o diretor executivo da Autoridade da Natureza de Uganda, Andrew Seguya. "Não há nenhuma tribo ugandense que tradicionalmente coma carne de primata, mas há muitos refugiados congolenses nessa área e eles podem ter difundido o hábito entre os moradores locais", afirmou.

"O ébola se propaga pelo contato direto, e acredita- se que estes primatas sejam portadores da doença e possam transmiti-la a seres humanos por outras vias, como a matéria fecal. Inclusive há uma escola de pensamento que afirma que a aids pode ter sido transmitida por primatas", disse Seguya, que é cirurgião veterinário. O distrito de Kibaale foi afetado por uma suposta epidemia de ébola em julho. Funcionários da saúde ainda não confirmaram que se trata mesmo dessa doença. Mas, segundo a imprensa, morreram 17 pessoas.

Enquanto isso, Ajarova disse que são feitos esforços para mudar as atitudes das pessoas quanto ao consumo de carne de primata, mediante programas educativos e de projetos para criação de animais entre os aldeões. "Falamos para as pessoas que deixem de comer carne de primatas, informando-os que é perigoso para a saúde, podendo contrair o ébola. Esta é uma das principais mensagens em nossos programas educativos", explicou Ajarova. "Também usamos rádio FM para transmitir mensagens conservacionistas às comunidades. Estas chegam a um grande público ao mesmo tempo", acrescentou. Envolverde/IPS (END/2012)